Archive for fevereiro \25\UTC 2007

h1

Entrevista com Michelson Borges, participe!

fevereiro 25, 2007

Michelson BorgesO podcast É o que há! contará com a participação nesta Terça-feira às 21h do jornalista e escritor Michelson Borges, que por sinal tem um também um blog muito visitado. Nós, do AçãoJA não poderíamos ficar de fora dessa! Claro, estaremos sim participando do SkypeCast! O assunto será uso da internet para evangelização, especialmente os blogs. Contamos também com sua participação!

Para participar pegue seu microfone, abra o skype e clique no link abaixo!

ENTRAR!

Para baixar o skype, que é gratuito clique aqui!

Para quem não sabe o que é skypeCast aí vai a definição:

Skypecast é uma ferramenta do skype onde muitas pessoas partilham um mesmo ambiente online para discutir um assunto. Funciona por áudio e voz, como se fosse uma conferência telefônica com várias pessoas ao mesmo tempo, de vários lugares. Você pode encontrar mais informações no site do serviço.

 

 

Anúncios
h1

Buscar Deus

fevereiro 23, 2007

É interessante notarmos a falta de interesse, na maioria dos jovens, com relação ao alimento espiritual cotidianamente. Muitos passam a semana sem pegar na bíblia, ou até mesmo orar.Alguns só pegam a bíblia quando vão à igreja. Não vamos julgar ninguém, pois todos nós já fizemos isso algum dia. É normal o desinteresse, pois vivemos em um mundo em que tendemos mais para as coisas seculares(carnais). E às vezes pouco nos importamos com as espirituais. Temos que ter em mente que nós somos carnais, entretanto devemos pensar sempre procurar viver o lado espiritual. O que estou querendo dizer nesse post, que pretende ser pequeno, na mesma importância em nos alimentarmos, devemos também procurar o alimento espiritual(ler a bíblia, orar, louvar, etc). Se possível pelo menos uma oração, talvez. Estive adoentado, fui ao hospital, é incrível que quando estamos passando por momentos de aflições todos buscam Deus. Pois Ele é a nossa única saída. Por que não buscá-Lo dia a dia??

h1

Todo pecado é igual?

fevereiro 22, 2007
OS PECADOS SÃO IGUAIS?

Todos os pecados são iguais aos olhos de Deus?
Por Alberto R. Timm

Fundamental para entendermos o problema do pecado é a distinção entre pecado (condição) e pecados (atos pecaminosos). O pecado é uma condição humana de alienação de Deus e um princípio interior propulsor para o mal (ver Is 59:2; Ef 2:1-3 e 5). Esse princípio se manifesta exteriormente através de atos pecaminosos. Cristo declara que “de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura” (Mc 7:21 e 22).
Embora a essência de todos os pecados seja sempre a mesma (alienação de Deus), existem algumas realidades que nos impedem de aceitar a teoria de que todos os pecados são iguais aos olhos de Deus. Uma delas é o processo pelo qual a tentação se transforma em pecado. Esse processo é geralmente composto pelos seguintes estágios: atenção, consideração, desejo, decisão, planejamento e ação. Uma vez que o grau de envolvimento nesse processo pode variar de intensidade, não podemos afirmar que o pecado de alguém que teve apenas um desejo pecaminoso momentâneo, seja tão ofensivo a Deus como o pecado premeditado de Davi com Bate-Seba (ver 2Sm 11).
Que Deus não considera todos os pecados iguais é evidente também no fato de o próprio Deus haver prescrito diferentes sacrifícios no Antigo Testamento para a expiação dos diferentes pecados (ver Lv 1 a 7). Além disso, se todos os pecados fossem iguais, como querem alguns, por que deveriam os ímpios ser punidos no juízo final, “segundo as suas obras” (Ap 20:11-13)? Por que alguns haveriam de ser castigados, naquele juízo, “com muitos açoites” e outros com “poucos açoites” (Lc 12:47-48)? Se os pecados fossem iguais, não receberiam todos o mesmo castigo?
Mas a despeito dos pecados serem distintos entre si, todos eles refletem a mesma essência maligna da alienação de Deus. Isso significa que, por mais insignificante que determinado pecado possa parecer, ele é suficientemente ofensivo para excluir o pecador do reino de Deus.
Fonte: Sinais dos Tempos, março/abril de 2000. p. 21 (usado com permissão)

h1

Inauguração PortalJA!!!!!!

fevereiro 18, 2007

PortalJA

É com grande alegria e satisfação que o Blog AçãoJA inaugura mais um projeto: o PortalJA! Esperamos que mais e mais jovens a cada dia possam ser guiados ao caminho da salvação. Agradecemos primeiramente a Deus pelo projeto e pela benção de servi-lO e também a você com sua contribuição.

Acesse o site: http://www.portalja.com.br

h1

Semelhanças e diferenças no namoro

fevereiro 18, 2007
Todos sonhamos encontrar o parceiro ideal, aquele criado sob medida, especialmente para nós. Como encontrá-lo? Seria melhor que ele fosse bem parecido comigo ou completamente diferente? A voz do povo ensina que “os opostos se atraem”. Também determina, em outro extremo, que “dois bicudos não se beijam”. Poderia haver alguma verdade nesses ditados? Qual deles melhor se aplica a uma relação a dois? Não dá para concordar com essas afirmações radicais.

Os casais que “dão mais certo” são aqueles que têm maior número de pontos semelhantes entre si. Mas parece que se fala por aí que no namoro o parceiro deve ser alguém diferente, oposto, para completar nossa personalidade. Quando os opostos se atraem É na paixão e não no amor que os opostos se atraem, pois querem que o outro complete nele aquilo que falta. Por exemplo: se sou tímido, fico de fora das reuniões, e gostaria de pertencer ao grupo, posso pensar que a namorada ideal deveria ser alguém muito extrovertida, que conseguiria me fazer “sair da toca”.

Pelo menos iria me levar junto às reuniões. Entretanto, se a timidez é meu próprio jeito de ser, ao passar por tantas encontros de grupo que não fazem parte de mim, de meu estilo de personalidade, vou começar a me irritar com tudo isso e com tanta gente em volta da minha namorada que, para complicar ainda mais, nem percebem que eu estou ali, pois sou mais calado. Da mesma forma, se o tipo extrovertido escolher ficar comigo para ver se consegue se acalmar, com o passar do tempo ela também vai se cansar. E assim, aquela característica que nos atraiu um ao outro num primeiro momento, por ser oposta ao que somos, será exatamente a característica que vai incomodar e afastar um do outro quando a agitação da paixão diminuir. E aí não conseguimos entender por que os opostos se afastaram…

PARTICIPAÇÃO:

• Qual é a melhor maneira de enxergar estas diferenças, que vão trazer problemas no futuro, durante o namoro?

Amizade e Namoro Fico tentando entender por que razão usamos critérios diferentes quando queremos arrumar amigos ou namorados. O fato surpreendente é que muitas amizades duram mais do que parte dos namoros. Para que sejam nossos amigos temos a tendência de escolher pessoas que se parecem conosco, que têm o mesmo gosto, um jeitão parecido. E funciona! Para namorar, saímos à procura “daquela pessoa que nos completa”. Nem sempre dá certo, porque fica faltando alguma coisa. Penso que isso tem a ver com o fato de não nos aceitarmos como somos. E pensar que o outro é sempre melhor do que nós. Você já parou para pensar a esse respeito? Se não gosta de si mesmo, e se quer namorar alguém que seja o seu oposto, é sinal de que não está satisfeito com o que você é. Por isso quer no outro o que você não consegue ser. Se não posso mudar quem sou, não posso vir a ser o outro. Você já viu um tímido tentando ser extrovertido? Fica meio forçado, não é? Pois bem, se não consigo ser o outro, por mais que tente, a admiração que tenho por determinada pessoa vai acabar se transformando em inveja, que afasta um do outro. Daí, o relacionamento chega ao fim “por absoluta incompatibilidade de gênios”! Parecido, mas diferente Agora, se eu me gosto, se me aceito, tenho prazer em ser quem sou e fazer o que faço, independente do que os outros querem, vou escolher e aceitar alguém que se pareça comigo, pois eu me gosto. Se na amizade procuramos os semelhantes e dá certo, por que no namoro não agimos assim? As chances de pessoas com afinidades entre si se relacionarem bem são muito maiores do que o relacionamento com os opostos.

Bem, ter afinidade não quer dizer que não possam existir divergências ou diferenças. Todavia, estas são mais fáceis de resolver, porque o casal tem na relação muitos pontos comuns, o que facilita a busca de igualdade e companheirismo. Mesmo nos casais com maiores afinidades, as diferenças vão existir, pois cada ser humano é único, distinto um do outro. Dessa forma, ter afinidade não é ser igual, mas ter determinadas características em comum. Diferenças não são defeitos. Elas existem e servem para nos distinguir. No relacionamento, devem ser aceitas e acomodadas dentro do limite de cada um. A diferença é importante para, através dela, se criarem coisas novas e especiais na relação. Mas para as diferenças serem aceitas, é preciso ter pontos de apoio comuns à relação. Por essa razão, a Bíblia é tão sábia ao dizer que a união de pessoas de “jugo desigual” não seria positiva. Os parceiros com pontos em comum: interesses, gostos, famílias afins, tipo de educação, grau de estudo, condição financeira e religião, funcionam melhor quando juntos.

PARTICIPAÇÃO:

• Que tipos de diferenças não comprometem uma relação?

• Você acha que entre as semelhanças que devem ser buscadas está a religiosa? É importante o casal, mesmo de namorados, ser da mesma religião? Por que?

• Quando um casal de namorados tem diferenças muito fortes, mas diz que se ama, o que deve fazer?

• Que características deve ter uma pessoa para que o namoro de certo?

 

h1

Limite das Carícias

fevereiro 18, 2007
Apesar de saber que o plano de Deus para vida dos jovens é que casem-se virgens, eu não sou mais virgem pois conheci a mensagem Adventista apenas um ano. Mesmo assim ainda sinto dificuldade, pois tenho namorado e quero saber até que ponto podemos ir. Gostaria de saber o que é pecado num namoro, se posso ter carícias e quais carícias. Acho que não posso ter, mas não consigo me conformar nem convencer-me de que isso seja um pecado. Há pouco mais de um ano quando você entregou a vida a Jesus Ele lhe aceitou sem levar em conta o passado.

Ele fez de você uma pessoa nova, com uma nova história e novas oportunidades. Continue sua caminhada tendo sempre isso em mente. Cultive o princípio do apóstolo Paulo quando disse: “… uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam… prossigo para o alvo…” (Filip. 3:13, 14). Por outro lado, porém, para que você mantenha sua vida espiritual forte, e não caia nas mesmas tentações do passado é importante ter bem claro que o namoro não é uma oportunidade para conhecer o corpo do outro, mas o momento de descobrir as idéias, sentimentos, planos e visão da vida.

Quando o casamento chegar, o sexo e as carícias vão ser a expressão de um sentimento que foi construído com base na amizade, no diálogo, na mesma visão da vida e em um sentimento de complemento. Mas, até onde ir com as caricias para não cair em pecado? É possível ter carícias que não sejam pecado? Sem dúvida, elas são uma expressão do sentimento que mantém o namoro e podem existir com pureza e inocência, sem se tornarem pecado. Por outro lado, elas também podem ser a principal fonte de estimulo sexual, bem como um alimento para o sexo por pensamento. É preciso ter muito cuidado e conhecer os limites. Tudo o que se torne tão forte, que venha a tirar o foco do diálogo e da amizade, se torna perigoso. Qualquer coisa que provoque o desejo do sexo, em atos ou pensamentos, também passa dos limites da prudência, e ai se torna pecado. É difícil descrever os limites. Um beijo, dependendo de como seja (mais leve ou mais forte e prolongado) pode ser uma expressão de amor ou excitação. Um abraço pode ser uma demonstração de carinho ou um estimulo para os corpos. Uma carícia pode ser um ato de amor ou dependendo da parte do corpo pode ser um instrumento de provocação e excitação. Para lhe ajudar, e tentar ser prático, quero lhe sugerir a teoria do triângulo. Procure imaginar um triangulo formado por uma pessoa com seus braços abertos, com uma linha que vai de um cotovelo ao outro e forma um triângulo que se fecha nos joelhos. A região, dentro do triângulo, é perigosa e excitante, e por isso deveria estar fora da área de carícias de um casal cristão. Sei que essa é uma explicação simples, mas pode lhe ajudar a definir limites. Pode parecer até uma exigência restrita demais, mas se você quer resistir precisa criar barreiras claras e fortes. Por outro lado, procure cuidar de fatores externos que influenciam na intensidade das carícias ou mesmo no desejo pelo sexo.

Alguns deles são: 1. Conversas entre o casal: Quando as conversas são estimulantes, provocantes ou picantes, elas vão estimular o desejo de carícias fortes em busca do prazer, que poderão levar ao sexo como ato ou pensamento.

2. Horário dos encontros: Quando o namoro só acontece a noite ou tarde da noite, os riscos de se perder a noção dos limites é claro. Ellen White alerta para isso, de maneira forte, quando diz que: “os anjos de Satanás estão ao lado dos que dedicam grande parte da noite ao namoro.” Só para Jovens, 120. Ela diz ainda: “É comum ficar conversando até altas horas da noite, mas isso não agrada a Deus, mesmo se vocês dois forem cristãos.” Idem, 105.

3. Lugar onde namoram: Cuidado com os lugares solitários. Todo o casal gosta de ter seu tempo de privacidade, mas ele se torna perigoso quando os encontros acontecem sempre em lugares solitários. É importante estar perto do movimento. Isso dá privacidade, mas inibe o risco dos excessos. Ouça estes conselhos, mas nunca esqueça de buscar orientação e força na verdadeira fonte de poder – Jesus Cristo. Tome sempre um tempo especial para orar por sua vida e por seus desejos, e Deus vai lhe deixar sempre claro até onde vão os seus limites. Você “ouvirá uma voz… dizendo: Esse é o caminho…” (Isa. 30:21). Além disso, só Deus pode mudar os desejos do seu coração.

Uma vez que você já se envolveu sexualmente com alguém é mais difícil resistir, por isso você precisa de mais poder. Esteja sempre atenta, prudente e ligada a Deus. Você nasceu de novo, mas o inimigo conhece seus desejos e pontos fracos.

h1

Controle das carícias

fevereiro 18, 2007
Sempre que saio com a minha namorada não consigo manter limites. As caricias acabam indo longe demais. O que eu posso fazer para ser mais forte? A excitação e o sensualismo são oferecidos com força cada vez maior pelos meios de comunicação, e nós, cristãos, também somos alvos disso. A sensualidade é usada para vender desde carros até sapatos, e sem notar a mente começa a ser alimentada com as insinuações, imagens e propostas que são apresentadas. É exatamente por isso que, quando você está com sua namorada, põe para fora os desejos com os quais a mente foi alimentada. Existem duas questões que devem ser bem observadas por você: em primeiro lugar o tipo de alimento que você está oferecendo a sua mente, e em segundo, as reais prioridades que você tem para sua vida. É preciso lembrar sempre que você é um resultado de seus pensamentos.

Quando você deixa de alimentar sua mente com as coisas de Deus e não tem tempo para a Bíblia, oração, testemunho e envolvimento com a igreja, você começa a enfraquecer sua defesa contra a tentação e abre o caminho para o inimigo. Pior ainda quando você, além disso, cria o hábito de alimentar sua mente com sensualismo através de piadas, revistas, filmes, sites, chats ou outros meios. Neste caso, você se torna um vulcão incontrolável, apenas esperando o momento para explodir. O encontro com a namorada se torna o melhor momento para tornar real o sonho e o prazer alimentados.

Ellen White lembra que “A melhor maneira de evitar o desenvolvimento do mal é ocupar primeiro o terreno. São necessários o máximo cuidado e vigilância no cultivo da mente…” (Só para Jovens, 18) Ela continua alertando ainda: “Quem não deseja ser presa das armadilhas de Satanás deve guardar bem as avenidas do coração, evitando ler, ver ou ouvir qualquer coisa que sugiram pensamentos impuros”. (idem, 21) O caminho para fortalecer a mente começa por abrir o coração a Deus e orar claramente pelo problema, sem rodeios. A ligação com Deus afasta a tentação, pois o inimigo não tem poder.

Faça isso através da leitura da Bíblia, oração, testemunho e envolvimento com as coisas de Deus. Como resultado dessa relação mais forte com Deus, você precisa mudar alguns hábitos. Podem ser filmes ou programas de televisão, quem sabe algumas piadas, revistas, lugares ou outros alimentos impuros que você pode estar colocando na mente. São esses hábitos que fortalecem a tentação. Se eles não são abandonados, acabam bloqueando o milagre de Deus.

Procure conversar, também, com sua namorada sobre a dificuldade que você está tendo para manter os limites. Isso vai servir para que vocês possam definir juntos como enfrentar a situação, e ao mesmo tempo vai lhe ajudar, também, a conhecer melhor as convicções dela sobre essa questão. Além disso, as mulheres controlam melhor seus impulsos, e por isso sua namorada pode lhe ajudar.

Por outro lado, você precisa definir muito bem o que quer para sua vida, e agir hoje de acordo com aquilo que você está buscando para o seu futuro. A Bíblia é bem clara quando diz que “Tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gál. 6:7). Aliás, essa é uma regra da vida. Você planta hoje, e colhe amanhã. Se sua prioridade é construir uma relação madura, baseada no amor, compreensão e aceitação e se também quer preservar sua namorada é preciso plantar isso hoje. Deixando esses conceitos e essa visão bem claros, você vai conseguir, pela graça de Deus, administrar melhor a situação. Quando você tem prioridades claras e definidas é mais fácil ajustar suas atitudes a elas. Procure, também, planejar bem seu namoro. Não deixe que as coisas simplesmente aconteçam, pois assim vai acontecer o que não deve. Você pode definir bem os lugares e os horários aonde vocês vão se encontrar ou ficar juntos.

Essa é uma questão muito séria, por isso Ellen White diz que “É comum o hábito de ficar conversando até altas horas da noite, mas isso não agrada a Deus, mesmo se vocês dois forem cristãos” (Só para Jovens, 105). Você pode, ainda, conduzir as conversas de vocês para que não sejam provocantes. Se você toma estes cuidados já vai sentir um alivio da situação. Deus é o maior interessado em ver você e sua namorada fiéis e felizes. Por isso lembre-se de que com ação e oração é possível mudar a situação.