Archive for 3 de fevereiro de 2007

h1

Big Brother Brasil Parte-2

fevereiro 3, 2007

Retirado do Jornal Opovo
O Big Brother Brasil 7 começou anunciando novidades nas regras e deixando o público com uma pulga atrás da orelha. Os participantes são todos sarados e estão na faixa dos 25 anos, parecia até jogo de cartas marcadas. Mas até a Rede Globo está ficando surpresa com o trabalho que essa turma está dando. E os telespectadores então, nem se fala!

Esse é o BBB em que os participantes mais soltaram a franga, e com ela foram cuecas, pudores e vergonhas… É tanta baixaria que a emissora criou um programa que vai ao ar depois de 1h da manhã, o BBB Só Para Maiores, onde a edição é menos rigorosa com cenas de nudez, embriaguez e pegação. Que, vamos combinar, é só o que tem na casa.

O BBB Só Para Maiores vai ao ar às quartas-feiras e entrevista o eliminado da semana. O apresentador Vinícius Valverde, comanda um debate entre o eliminado e uma pequena platéia. Essa semana foi a vez do pernambucano Alan, enfrentar as mais constrangedoras críticas sobre sua conduta dentro da casa, ver vídeos de cenas que não foram ao ar no programa apresentado por Pedro Bial e ainda acompanhar ao vivo a festa que estava rolando.

O telão no meio do cenário, mostrou de tudo. Desde os banhos pelados de Alan, até a pegação entre ele e Analy, por quem ele se disse apaixonado, que incluiu cenas bem calientes. Aí começa o debate. “Você quis aparecer ou ser convidado para possar nu em alguma revista? Porque você não deveria ter ficado pelado, é muito magro, se ainda fosse o Alemão”, questiona uma participante da platéia. Ele não esconde que não gostou da provocação e reponde: “A minha nudez chuveral (sic) não foi para aparecer e nem pretendo ser convidado para posar nu”. Não convence e o telão volta a mostrar cenas da festa em que já lá pelas 2h30 da manhã (horário do Rio de Janeiro) os bbbs já estão quase todos bebâdos. Diego, o Alemão, e Fernando dançam, em cima de um banco, só de cueca, fazem bunda lelê e pulam na piscina com a cueca nos joelhos. O eliminado pega a deixa: “Tá vendo, eles fizeram isso para aparecer, diferente de mim”. O apresentador que media o debate diz sutilezas como: “Não se vanglorie não, porque seu bumbum não tá com essa bola toda não!”. Dá vontade de desligar a TV.

Uma telespectadora entra ao vivo para fazer uma pergunta: “Você sabia que Analy é gay?”. Mais uma vez constrangido, o coitado do eliminado – sim, a essa altura você já sente pena da situação em que se encontra o pobre rapaz – nega e explica que não “percebeu” nada disso. “Pra mim ela é hétero”. E começa uma votação por telefone para decidir qual troféu o eliminado merece: participei do BBB 7 ou o troféu Saco na Cabeça. Semana passada a eliminada Liane, saiu com o troféu Saco na Cabeça, na mão. Alan vibrou ao receber o de participação.

Quando Alan parecia já estar perto de perder a paciência com as críticas da platéia sobre sua conduta dentro da casa perguntou: “Minha filha, você tem certeza de que assistia ao programa?”. Quando uma senhora, já de idade, disse que ele foi eliminado porque “ao invés de jogar, ficou alisando Analy e esperando por algo que ela não deu”.

Mais flashes da festa e Íris aparece completamente embriagada, sendo amparada pelas amigas. Outra cena, Alemão senta em cima de Fani para fazer massagem e dessiste. “Essa posição tá me deixando numa situação complicada”. Aliás, o triângulo amoroso entre Alemão, Fani e Íris é um capítulo à parte. Na última terça-feira, Fani, que é a líder da semana convidou os dois para assistir a um filme no quarto do líder. A cena dos três foi assunto da semana. Deitados na cama ficava um alisando o outro. Nada demais, comparado às cenas debaixo do endredom que Fani, em outra festinha que bebeu demais, protagonizou com o loiro. E aí, as duas mulheres ficam no maior bate-boca. O Alemão é apaixonado pela Íris que não sai de cima do muro e Fani cai em cima dele que não resiste. Sóbria, Fani já chegou a pedir desculpas a Íris por ter “pegado” (sic) Diego. As duas são amigas, vá lá entender isso.

Tanta baixaria não têm feito bem à audiência do programa. Essa é a mais baixa média de todos os BBBs anteriores. Na noite de quarta-feira, o início do programa chegou a perder para a novela Vidas Opostas da Record.

Vai ver a Globo perdeu a mão, ao acreditar que o telespectador se encantaria mais com a baixaria do que com a simplicidade de participantes pobres escolhidos por sorteio.

 

Anúncios
h1

Big Brother Brasil Parte-1

fevereiro 3, 2007

A visionária obra do escritor George Orwell, chamada 1984, escancarou a realidade de governos ditatoriais que não se cansavam de observar diariamente a vida da população em busca de possíveis demonstrações de rebeldia contra o sistema político. O conceito daquele que tudo vê do chamado “Grande Irmão”, ou, em inglês, “Big Brother”, transformou-se mais recentemente em um estilo de programa de televisão de grande audiência e efeitos questionáveis. Aliás, no Brasil foi copiado esse modelo europeu de reality show (ou show da realidade) em que pessoas pré-selecionadas pela emissora de TV ficam confinadas em uma casa durante meses e são eliminadas do programa semanalmente até restar um vencedor que embolsa um prêmio em dinheiro.

Raciocine comigo e pense se um cristão genuíno precisa de fama para ser verdadeiramente feliz ou influenciar positivamente as pessoas ao seu redor. Imagine se Jesus Cristo precisaria falar palavrões na frente de uma câmera, trair a esposa com outra mulher em um programa de televisão ou agir de maneira desonesta para ter sucesso. Não há como imaginar realmente.

Já que o Big Brother tem a ver com olhos, pense somente nesta frase de Cristo, registrada pelo evangelista Mateus: “A lâmpada do corpo são os olhos. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, se a luz que há em ti são trevas, quão grandes são essas trevas.” Isso vale tanto para quem vê como para quem é visto. O que as pessoas em um programa assim desejam realmente mostrar para os olhos alheios? Uma conduta digna de ser imitada? Ao mesmo tempo, vale a pena refletir sobre o tipo de programa que você está assistindo na televisão ou na Internet atualmente. Talvez seja tanto lixo que seria melhor desligar e ler um livro ou dormir.

O outro apelo do programa é, sem dúvida, a curiosidade humana. Todos somos extremamente curiosos e geralmente o interesse na vida alheia está conectado ao péssimo hábito de falar mal dos outros ou bisbilhotar. Por que é tão importante saber como são as pessoas enquanto comem, bebem, dormem ou tomam banho? Para depois, na rodinha de amigos, quem sabe na rodinha virtual do Orkut, falar mal delas? O questionamento é, na verdade, se isso é o mais importante nas boas relações interpessoais ou se realmente essencial é contribuirmos definitivamente para que as pessoas tenham mais princípios. Você, se assiste ao Big Brother Brasil, gasta um generoso tempo tentando saber o que se passa na vida íntima de pessoas enquanto poderia aproveitar bem essa oportunidade para estender a mão a quem realmente necessita de orientação, conselho, uma palavra bem colocada.

Em vez de investir o restante do tempo falando mal da moça que disse aquilo, do rapaz que falou não sei o quê, você terá tempo de sobra para orar por quem precisa e abrir a Bíblia e mostrar sábios ensinamentos a quem está em busca de um caminho seguro em sua vida. Já que Big Brother tem a ver com olhos, você, que é esperto, abra bem seus olhos antes de olhar para certos lados!

Felipe Diemer de Lemos, jornalista e mantenedor do blog Realidade em Foco.