Archive for 8 de junho de 2007

h1

Mentira de Raabe

junho 8, 2007

MentiraComo explicar o fato da prostituta Raabe haver escondido os espias de Josué, e haver mentido a respeito (Js 2), e Deus ainda usar de misericórdia para com ela e seus familiares? (Js 6:22-25)

Por Alberto R. Timm, Diretor do Centro de Pesquisas Ellen White

Somos propensos, muitas vezes, a pensar que Deus, para ser justo, deve restringir Sua oferta de salvação apenas às pessoas moralmente dignas. Mas a mensagem bíblica, revelada tanto no Antigo Testamento como no Novo, é que a oferta de salvação é extensiva a todos os pecadores.

São de Cristo as palavras: “Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não vim chamar justos, e sim pecadores ao arrependimento” (Lc 5:31 e 32). Em Isaías 1:18 é apresentado o convite:

“Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor; ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã.”

A experiência da prostituta Raabe é uma das mais belas histórias de salvação pela graça “mediante a fé” (Ef 2:8) encontradas nas páginas do Antigo Testamento. Como Abraão foi justificado pela fé (Gn 15:6; Rm 4), e essa fé se evidenciou na prática de boas obras (Tg 2:21-24), assim também o foi Raabe. Hebreus 11:31 declara que “pela fé, Raabe, a meretriz, não foi destruída com os desobedientes, porque acolheu com paz aos espias”. E Tiago 2:25 acrescenta que a fé dessa mulher foi genuína porque resultou na prática de boas obras.

Mas o fato da vida de Raabe ser poupada, sendo ela uma prostituta e havendo mentido aos emissários do rei de Jericó, não significa que Deus estivesse sancionando tais pecados explicitamente condenados no Decálogo (ver Êx 20:14 e 16). Nesse incidente, Deus manifestou Sua graça salvadora a uma prostituta possuída de uma fé genuína, com o propósito de salvá-la de sua vida de pecado. O mesmo poder regenerador que atuaria na vida da “mulher adúltera”, durante o ministério terrestre de Cristo (Jo 8:1-11), também transformou a vida da prostituta Raabe. E o mesmo amor compassivo que perdoaria as mentiras do pretensioso apóstolo Pedro (Mc 14:27-31;66-72) também perdoou a mentira de Raabe.

A galeria dos heróis da fé (ver Hb 11), da qual Raabe faz parte (verso 31), não é composta por santos que nunca pecaram, mas por pecadores que pela graça divina alcançaram a vitória sobre os seus pecados. Essa galeria é formada por pessoas que, à semelhança do filho pródigo (Lc 15:11-32), deixaram as imundícies de uma vida de pecado e voltaram à casa paterna; pessoas que estavam mortas em “delitos e pecados” mas que foram regeneradas pela graça divina (Ef 2:1 e 5).

Assim como Deus perdoou e regenerou Raabe, Ele também está disposto a perdoar e regenerar a cada um dos demais seres humanos atingidos pelos “dardos inflamados do maligno” (Ef 6:16).

Fonte: Sinais dos Tempos, junho de 1999, p. 29 (usado com permissão)

Anúncios
h1

Cabelo Comprido

junho 8, 2007

CabeloTenho sérias dúvidas a respeito de poder deixar meu cabelo crescer, não para ficar comprido como de mulher, mas na altura da orelha ou ombro.

Quero destacar que não há nenhum tipo de influência por parte de pessoas mundanas e/ou famosas nessa minha decisão. Apenas por já ter visto alguns raros Adventistas fazendo tal uso, fiquei a refletir que não seria coisa errada. Qual é a posição certa?

MINHA RESPOSTA PARA VOCÊ:

Quanto ao uso do cabelo comprido para homem, algumas considerações, e um texto Bíblico. Gostaria que você entendesse essas considerações como motivos para não deixar seu cabelo crescer.

1. O cabelo comprido para o homem (ainda) cria comentários maliciosos, o que não fica bem para um cristão. Se algum hábito escandaliza outra pessoa, ele deve ser deixado, porque devemos servir sempre de inspiração e nunca de motivo de escândalo.

2. O cabelo comprido é uma característica distintiva feminina. O tradicional para o homem é o cabelo curto. Como cristãos, somos moderados e tradicionais em nossos hábitos, pela santidade de nossa vida e mensagem. Além disso, defendemos a idéia de diferença entre homem e mulher. A sociedade hoje defende a idéia de que quanto mais parecido melhor, mas não é nossa visão.

3. O cabelo comprido no homem é sinal de vaidade. Na mulher é normal, mas também pode se transformar em vaidade. Por isso, como homem é melhor ficar fora disso.

Estas são algumas questões para pensar. O mais importante porém é o conselho bíblico:

I Coríntios 11:14 – “Não vos ensina a própria natureza que se o homem tiver cabelo comprido, é para ele uma desonra;”

Pense nisso, e decida se manter ao lado do que é certo, pela graça de Deus.

Pr.Erton Köhler, Presidente da divisão Sul-Americana da IASD.

h1

Línguas Estranhas

junho 8, 2007

FalaComo entender a promessa de falar “novas línguas”, em Marcos 16:17?

Por Alberto R. Timm, Diretor do Centro de Pesquisas Ellen White

Como o conteúdo de Marcos 16:9-20 não aparece nos manuscritos gregos mais antigos e melhores, especialistas em crítica textual do Novo Testamento têm sugerido que o evangelho de Marcos terminava, originalmente, com o verso 8 do capítulo 16. Diante disso, se poderia argumentar que o texto de Marcos 16:17 não compartilha da mesma autoridade canônica que o restante do Evangelho.

Mas independente de aceitarmos ou não o conteúdo de Marcos 16:9-20 como parte do Cânon Sagrado, é importante observar que, na expressão “novas línguas” de Marcos 16:17, o termo original grego para “novas” é kainós (novas línguas para quem fala) e não néos (línguas até então desconhecidas). Isso significa, portanto, que essas “novas línguas” dizem respeito às mesmas línguas de nações mencionadas em Atos 2:4 como “outras línguas”, plenamente compreensíveis às respectivas pessoas que as reconhecem como suas línguas maternas (At 2:6, 8 e 11).

O fato de Mateus 16:17 colocar o dom de falar em “novas línguas” como parte dos “sinais” que haveriam de acompanhar aqueles que cressem, não significa que esse dom deveria ser concedido a todos os crentes em todas as épocas e lugares. Assim como os cristãos não haveriam, obviamente, de pegar “em serpentes” todo tempo (verso 18), também não é de se esperar que eles devessem falar sempre em “novas línguas”. Além disso, Paulo esclarece que o dom de línguas é dado apenas a alguns crentes, havendo uma necessidade concreta que justifique a sua manifestação (ver 1Co 12:4-11, 28-30).

Fonte: Sinais dos Tempos, janeiro/fevereiro de 2000. p. 21 (usado com permissão)