Archive for outubro \31\UTC 2008

h1

Como vai a sua influência?

outubro 31, 2008

Poucos há que se compenetram de quão grande alcance é a influência de suas palavras e atos. Quantas vezes os erros dos pais produzem os mais desastrosos efeitos em seus filhos, e descendentes destes, muito tempo depois que os próprios autores foram postos nos túmulos! Cada um exerce uma influência sobre os outros, e será responsável pelo resultado dessa influência. Palavras e ações têm um poder eloqüente, e a longa vida do além mostrará o efeito de nossa vida aqui. A impressão produzida por nossas palavras e ações reagirá certamente sobre nós, trazendo bênção ou maldição. Tal pensamento confere uma terrível solenidade à vida, e deve atrair-nos a Deus, com humilde oração, a fim de que Ele nos guie pela Sua sabedoria. 

    Aqueles que ocupam as mais elevadas posições podem transviar outros. Os mais sábios erram; os mais fortes podem vacilar e tropeçar. Há necessidade de que constantemente se derrame em nosso caminho a luz do alto. Nossa única segurança está em confiar nosso caminho implicitamente Àquele que disse: “Segue-Me.” 

Patriarcas e Profetas, pág. 556

h1

Voltar com a Ex-namorada

outubro 28, 2008

No final de minha adolescência comecei namorar com uma jovem que era a mulher que eu esperava em Deus para ser minha esposa. O nosso relacionamento entre nós era perfeito. Sabíamos como ninguém resolver nossos problemas e diferenças sem afetar nosso namoro e sem ofender ou trazermágoas ou ressentimentos um ao outro.

Meus pais amavam minha namorada, já os pais dela eram contra a nossa relação. Já estávamos planejando o casamento quando nos envolvemos sexualmente. Já nos sentíamos um do outro, e por isso foi mais fácil. Fizemos sexo por mais de três anos, apesar das tentativas de parar. Acabamos decidindo terminar o namoro em paz.

Mais tarde conheci uma outra garota. Muito cristã e tem me levado para mais perto de Deus. Já minha ex-namorada também arrumou outro namorado. Já faz um bom tempo que terminamos e não conseguimos esquecer um ao outro. A alguns dias ela está me ligando e dizendo que quer voltar. Isso tem mexido comigo. Me preocupo, porém, em voltar e me envolver ainda mais sexualmente. E o pior, deixar a garota que vem me ajudado tanto espiritualmente. Mas não consigo vê-la como minha esposa.

Preciso resolver o problema, nem que eu acabe ficando sem nenhuma das duas. Tenho buscado incessantemente a deus para que me ajude. As vezes ouço Deus me dizer que devo continuar com a namorada atual. Mas, porque as lembranças não me deixam em paz? Por que Deus não tira estas lembranças da minha mente?

E outra coisa muito importante: Pelo fato de ter tirado a virgindade de minha exnamorada, e pelas promessas e juras de amor, continuo sendo responsável por tudo isso. Não seria uma atitude correta assumir essas responsabilidades e acabar casando?

 

MINHA RESPOSTA PARA VOCÊ

Sua situação me faz lembrar uma frase célebre sobre o amor que diz “O amor tem razões que a própria razão desconhece”. As vezes parece tão difícil entender os sentimentos, mas é possível chegar lá.

Sua luta tem sido entre o passado e o presente. A pergunta que parece atormentar você é: “Será que minha ex-namorada é a pessoa certa para me fazer feliz?” É difícil responder essa questão sem estar na pele da outra pessoa, mas é possível provocar um pouco mais de reflexão sobre o assunto. Para saber se ela é a pessoa ideal para você, é preciso responder a algumas perguntas:

– Por que vocês realmente terminaram o relacionamento?

– Haviam outros problemas sérios, ou apenas a falta de controle sobre o sexo?

– Como a parte financeira não estava legal vocês tiveram de dar um tempo para o casamento e por isso não resistiram à pressão sexual. E se voltassem hoje, poderiam se casar, ou teriam novamente de se expor ao tempo?

– Vocês conseguiriam resistir à pressão sexual depois de todo o envolvimento da primeira vez?

Me parece que sua razão sugere esquecer o passado, já a emoção o chama de volta. Se você der ouvidos à razão e continuar tentando esquecer, vai precisar ter em mente que um relacionamento marcante demora mais tempo para ser apagado, e mais ainda quando existe envolvimento sexual. A Bíblia apresenta o sexo como o momento onde os dois se tornam “Uma só carne”, e isso mostra a força da intimidade. Isso não se desliga com facilidade. Aliás uma das conseqüências do sexo dentro do namoro é a dificuldade para terminar o relacionamento quando se descobre que este é o melhor caminho. Para apagar a intimidade e seriedade do relacionamento que vocês tiveram é preciso um pouco mais de tempo que o convencional. É importante para isso, que você não se cobre nem fique se punindo, e muito menos alimente pensamentos que tragam de volta momentos do passado. O melhor é corta-los com pela raiz quando quiserem aparecer.

 E os efeitos do envolvimento sexual entre vocês? E o fato de ter tirado a virgindade dela? Isso tem lhe preocupado também. Na verdade, as falhas do passado servem basicamente de lições para o presente e futuro. Em seu namoro atual, ou mesmo em outro, se um dia houver, vale a pena considerar o preço pago por haver quebrado os limites, e com isso, fortalecer o propósito de deixar o sexo e seus prazeres para a hora certa – o casamento. Apesar de tudo o que aconteceu, inclusive a virgindade que ela perdeu com você, o melhor caminho para corrigir o problema, agora, é dar a ambos a oportunidade de encontrar a pessoa certa. Essa é a sua responsabilidade. Uma coisa é errar uma vez, outra é se aprofundar no erro.

Pense com carinho e escolha o melhor caminho. Por que terminaram? É possível voltar sem repetir a história? Este é o melhor caminho, ou é apenas o mais agradável? Ao invés de orar pedindo para Deus apagar o passado, peça para Deus lhe mostrar as lições e a melhor maneira para administra-lo.

 

Maranata!

 

Erton Köhler

h1

“Homens de Pouca Fé”

outubro 27, 2008

Por Tatyanne de Morais

Desde o início do ano tenho tentando ler toda a Bíblia. A cada dia encontro vários versículos e capítulos que me chamam a atenção. Nos últimos dias, tenho analisado as histórias dos discípulos, narradas em Mateus, Marcos e Lucas. Confesso que às vezes a falta de fé dos apóstolos me contraria. Na minha infância, lembro de uma coleção de livros que contava diversas situações bíblicas e uma das minhas preferidas se encontra em Mateus 8, quando Jesus acalma a tempestade.

Logo após estar com a multidão, Cristo resolveu ir ao outro lado do mar, a fim de descansar. Assim que dormiu, as ondas, provocadas por uma grande tempestade, inundaram o barco em que Ele estava. Temerosos, os apóstolos clamaram por Jesus, que disse: “Por que vocês estão com medo, homens de pouca fé?”.

Refletindo nesse caso, penso se nós mesmos não temos as mesmas atitudes dos discípulos. Fomos chamados para seguir a Jesus, do mesmo modo que eles também foram. Hoje, do mesmo modo também não demonstramos segurança e confiança nEle. Os apóstolos foram instruídos a ir e fazer discípulos em todas as nações. O que também nos foi orientado. Afinal, somos cristãos, e esse é o nosso foco, levar a mensagem da Segunda Vinda de Cristo.

Os discípulos tiveram a oportunidade de acompanhar Jesus, e enquanto Ele esteve aqui, não demonstraram o real amor por Cristo. Contudo, naquela época, também não era fácil, eles eram repreendidos pelos povos. Hoje, não temos como conviver com Jesus lado a lado na terra, mas ainda possuímos a liberdade para amá-LO e anunciar ao mundo que Ele não vai voltar, mas já está voltando. Sendo assim, que possamos ter orgulho da mensagem da Cruz. Do amor incondicional que Ele tem por nós. Contudo, lembrem-se: fé sem obras é morta. Logo, é necessário agirmos como corretos seguidores de Cristo, para anunciar e apressar a Sua Volta.

h1

A Lição da Plantinha

outubro 25, 2008

Lembro com nostalgia a minha época de Desbravador. Aprendi muito e conheci várias pessoas e lugares durante esse tempo. No local onde o meu clube estava – em um dos acampamentos que participei – existia uma edificação toda em madeira (bancos, paredes, teto), semelhante a uma igreja. Lá realizávamos os cultos. E durante o sermão do Sábado de manhã, o pastor nos fez um desafio: “Cada um deve encontrar algo que chame a sua atenção para nos relatar durante o Culto Jovem”.

Logo após, todos os presentes discutiram o que poderia ter uma boa aplicação espiritual para essa atividade. E uns pensaram nas complicadas comunidades de formigas, outros na natureza como um todo… Mas o meu mistério era uma humilde, minúscula e simplória plantinha sem nome, de pouco menos de 15 centímetros, No púlpito da igreja em madeira, havia uma fresta no rodapé. Um espaço menor do que 1 cm. Do lado de fora, a vastidão de um campo enorme para se expandir. Mas a plantinha ‘escolheu’ crescer para dentro, em direção ao interior da igreja.

Lá não batia muito sol nem chovia diretamente, e as dificuldades eram bem maiores. Contudo, esses fatores contrários não conseguiram impedir seu crescimento. Esse vegetal contrariava o senso comum, ‘nadava contra a maré’ e me mostrava dois convites de Deus, e também duas características marcantes do Cristianismo: superar tribulações e ser diferente.

Muitos acham que ser cristão é não se preocupar mais com o futuro, porque as dificuldades ficaram no passado. A partir do momento da conversão, Deus vai tirar todos os empecilhos do caminho. Para esses, Jesus convida: “[…] vem, toma a cruz, e segue-me” (Marcos 10.21). Pois se você pede a Deus forças para continuar, o Senhor pode conceder-lhe tribulações para te fortalecer.

O outro convite feito por Deus para o Seu povo, em Jeremias 51:45, nos diz para sair “do meio dela” – da corrupção de Babilônia. Vivemos hoje em meio a Babilônia espiritual: valores invertidos, meias-verdades, confusão de crenças, e cada vez, menos amor. Assim, é imprescindível nos separar da corrupção de costumes, atitudes e vícios praticados pela nossa sociedade. Por mais complicado ou doloroso que isso seja, devemos nos afastar disso tudo em humildade e desfrutar a comunhão incessante com o Pai. Agindo como aquele vegetal, romperemos nossos obstáculos e seremos boas exceções. A plantinha poderia ter crescido normalmente para onde havia maior espaço, luz e água. Mas seria apenas mais uma planta em meio ao mato. Em vez disso, ficou eternizada em minha memória por preferir se fortalecer crescendo do jeito mais difícil.

Hoje, cabe a nós sermos um dos “poucos“. Escolher entrar “pela porta estreita”. Rejeitarmos tanto “a porta larga” quanto o “espaçoso caminho que conduz à perdição”. “Porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mateus 7:13 e 14, adaptado).

h1

Deus Pode Escolher e Habilitar Qualquer Pessoa

outubro 17, 2008

Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em Me conhecer e saber que Eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na Terra; porque destas coisas Me agrado, diz o Senhor. Jer. 9:23 e 24. 

 O Senhor age à Sua própria maneira, para que os homens não se exaltem em orgulho intelectual, atribuindo a honra e a glória a si mesmos. Ele quer que todo ser humano compreenda que suas capacidades e talentos provêm do Senhor. Deus trabalha por meio de quem Ele quer. Escolhe aqueles a quem Lhe apraz para realizarem Seu trabalho, e não consulta aqueles a quem enviará Seu mensageiro acerca de suas preferências sobre quem ou que espécie de pessoa eles gostariam que lhes apresentasse a mensagem de Deus.

Deus Se servirá de homens que desejam ser usados. O Senhor usaria homens de inteligência se permitissem que Ele os moldasse e afeiçoasse, e modelasse o seu testemunho segundo Sua determinação. Seria melhor que homens altos e baixos, instruídos ou ignorantes deixassem que o Senhor zelasse e cuidasse da segurança de Sua própria arca. O dever dos homens é obedecer à voz de Deus.

Quem quer que tenha alguma ligação com a obra e a causa de Deus deve estar constantemente sob a disciplina de Deus. “Assim diz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em Me conhecer e saber que Eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na Terra; porque destas coisas Me agrado, diz o Senhor.” Jer. 9:23 e 24…

Há almas famintas do pão da vida, sedentas das águas da salvação; e ai do homem que pela pena ou pela voz desviá-las para falsas veredas! O Espírito de Deus apela para os homens, apresentando-lhes sua obrigação moral de amar e servi-Lo com o coração, alma, entendimento e força, e de amar o próximo como a si mesmos. O Espírito Santo atua no íntimo da pessoa até que se torne consciente do divino poder de Deus, e toda faculdade espiritual seja despertada para a ação resoluta. Review and Herald, 12 de maio de 1896.

h1

Sobre a versão 3 do PortalJA

outubro 4, 2008

Em janeiro de 2007 começamos o projeto PortalJA. E até agora na medida do nosso possível vamos tentando melhorá-lo e aprimorá-lo. Às vezes falta tempo, às vezes é difícil, mas sempre estamos tentando melhorar. Desde o começo tivemos duas versões no ar e há mais ou menos um mês e meio a versão 3 já está no ar. Com isso queremos que você dê sua opinião com relação a ela. Precisamos saber o que o jovem achou dessa nova versão! Claro que você pode visitar em: http://portalja.com.br

No espaço abaixo esperamos sua opinião!