h1

Bate-papo sobre Crepúsculo

junho 8, 2009

crepusculofilme

Quando J. K. Rolling anunciou que iria escrever o último volume de sua série de livros sobre o bruxinho Harry Potter, boa parte dos pais cristãos respirou aliviada. Parecia que a indústria iria dar uma trégua no que consideram a “deseducação” de seus filhos. Bem, o alívio durou pouco. No final de 2008 chegou aos cinemas a adaptação do romance adolescente Crepúsculo (Twilight, EUA), escrito pela americana Stephenie Meyer e novamente começou o frisson em torno de um novo fenômeno teen. Os filhos desesperados para ter acesso ao filme e aos livros e os pais desesperados por achar razões que convencessem seus filhos a não verem o material.

Incentivado por um amigo pastor eu decidi assistir o filme e tentar compor um texto opinativo sobre o longa. Minha primeira e grande preocupação foi ser “completamente e irrevogavelmente” honesto com a opinião que iria expressar. Assim, decidi ir até a locadora dividido em dois. Metade de mim locou o DVD com a esperança de não achar absolutamente nada prejudicial na película e assim poder escrever que meus amigos adolescentes poderiam virar fãs da série sem nenhuma preocupação. Mas a outra metade começou a assistir o filme com a desconfiança de uma serpente que examina sua presa. Concluí que somente assim poderia ser completamente honesto com meu público alvo.

Ao contrário do que a mídia vem propagando, já no início do filme, percebe-se que a embalagem de Crepúsculo vai de encontro com o que se espera de um filme dedicado a adolescentes. As imagens são pálidas, em tons azuis, cinzas, pretos e brancos. O filme não começa com uma cena de ação e a música inicial tem melodia irregular. A narrativa é conduzida em primeira pessoa pela protagonista: Isabella Swan. Ela compartilha conosco seus pensamentos e impressões sobre os fatos a que é submetida.

Bella, como é chamada, é uma adolescente de 17 anos que se muda para uma cidadezinha chamada Forks. Lá, ela é apresentada a um mundo pequeno, sem opções de diversão onde todos se conhecem. Os problemas de Bella começam aí. Ela é uma personagem que faz o tipo desajustada, que não gosta de ser notada e tem gostos diferentes dos outros adolescentes. Bella segue apática e sem entusiasmo com sua nova escola até que conhece um grupo familiar: os Cullens. Eles são pálidos, sempre andam juntos, não são vistos muito durante o dia e não fazem amigos fora do ciclo da família. É o suficiente para despertar a curiosidade de Bella, que, por coincidência é escolhida para ser parceira de laboratório de Edward Cullen. Daí não tarda muito até que Bella fique desconfiada da força e rapidez incomum que Edward demonstra ter e termine descobrindo que ele e toda a sua família são vampiros. Tarde demais. Ela está completamente e irrevogavelmente (conforme ela mesmo admite no longa) apaixonada por Edward.

O filme segue lento e melancólico até a metade quando começa a ser animado com cenas de ação e suspense habilmente engrandecidas pelas belas paisagens das locações externas e pela técnica de filmagem que começa do plano distante e vai se aproximando do objeto principal da cena. Tudo isto apimentado pela paixão impossível entre a humana e o vampiro.

É sobre este romance que se sustenta todo o enredo e é por causa dele que Crepúsculo consegue conquistar sua platéia.

Edward é um vampiro. Seu instinto é matar Bella para alimentar-se de seu sangue. Porém ele opta por não seguir seus instintos, utilizando-se da força de vontade, por amor a namorada. Bella e Edward vivem no limiar entre o perigo e a paixão.

É aqui que reside nosso problema. Porém, a maior parte dos pais continua condenando o filme por um motivo que talvez esteja equivocado: o vampirismo.

A paixão hollywoodiana pelas produções com vampiros desperta uma idéia de que estes seres são criações de inspiração satânica usadas para seduzir o público e encher suas cabeças com conteúdo maldito.

Porém, o vampirismo é mais antigo do que se cogita. Ele aparece na mitologia de diversas regiões da Europa. A associação com o sangue somente veio em 1476, quando o então Principe Vlad III, famoso pela sua crueldade, foi imortalizado nas páginas do romance Drácula.

Vampiros, dentro da mitologia, sempre foram usados para representar o mal que ao mesmo tempo seduz e mata. Nunca se cogitou que vampiros fossem reais nem muito menos que a abordagem destes personagens tivesse algum tipo de poder sobrenatural sobre seu público. Existe um sem número de contos de horror clássicos e não se tem notícias de que seus autores tenham qualquer tipo de contato premeditado e consciente com o verdadeiro Satanás. Personagens com índole má em qualquer tipo de literatura, inclusive a cristã, são o que são: personagens que pregam e vivem o mal na sua essência. Não se poderia esperar que agissem de outra forma que não praticando a maldade. O fato de um autor resolver incluir um personagem com esta definição em sua obra não significa necessariamente que sua obra tenha uma intenção reprovável.

Em Crepúsculo, esta observação merece ainda mais ressalvas. Mayer não teve a menor intenção de fazer um romance sobre vampiros. E Crepúsculo não é um filme sobre vampiros. É antes de mais nada uma história de amor impossível. É um vampiro, mas poderia ser um E.T., um gnomo, um feiticeiro, um lobisomem, um simpatizante do Talibã.

Vampiros não são o objeto do romance de Mayer, eles são o seu argumento. E Meyer não exita em desconfigurar completamente a noção clássica de vampiro: os Cullens não viram morcegos, podem se alimentar de sangue animal, não têm medo da luz, brilham quando expostos ao sol, não são necessariamente perversos, não têm medo de alho, estacas, cruzes ou coisas do tipo, não voam e não dormem em catacumbas ou cemitérios.

Obviamente, por ser vampiro, a índole de Edward e do resto de sua família é má. Porém, nenhum deles optou por virar vampiro e todos lutam com sucesso comprovado contra sua índole e a mantém sob constante disciplina. Qualquer comparação com nossa condição de pecado não é mera coincidência. Esta postura é bem definida numa das frases de Edward: Eu me recuso a me tornar um monstro. Dizer que um filme é do diabo porque mostra um vampiro como protagonista é uma ingenuidade tanto quanto dizer que a Crepúsculo promove a virgindade entre adolescentes.

Alguns críticos gostam de se referir a este detalhe para explicar que o filme há de agradar aos pais mais conservadores e pode ensinar bons princípios aos filhos. Bobagem. Crepúsculo nunca pretendeu ser um filme didático sobre usar a razão além da emoção ou sobre fazer a escolha certa. Ele é essencialmente um filme sobre flertar com o perigo. Eis aqui a importância do narrador/personagem. Se o filme fosse visto da perspectiva de Edward, talvez o controle dos instintos pela consciência fosse um argumento plausível. Mas o filme é contado do ponto de vista de Bella, e para ela, não se entregar a Edward é uma questão de falta de opção, não de racionalidade.

Para Bella, o que interessa é este sentimento arrebatador que a possui desde o primeiro momento em que vê Edward. É este sentimento que lhe dá sabor à nova vida em Forks. É a constante sensação de perigo que apimenta sua relação e faz com que ela se apaixone mais e mais. Bella não se interessa em não sucumbir aos instintos que unem os dois. Dá provas disso nos beijos que troca com Edward em seu quarto. Bella, inclusive está disposta a se tornar um monstro – a essência do mal – para viver sua grande paixão.

Seu posicionamento no filme é o mesmo demonstrado por Eva no Éden, quando preferiu se envolver com o fruto proibido ignorando o conselho de Deus de não se aproximar da árvore do conhecimento do bem e do mal. O problema é que o tipo de narrativa de Meyer torna este comportamento aceitável, desejado e até tentador.

Este, e não vampiros, é o grande motivo pelo qual o filme arrebata o público adolescente com tanta força: o que é a adolescência senão um flerte com o perigo?

Aos meus amigos adolescentes: você não aprende através de conceitos abstratos e intangíveis. Você aprende principalmente através de sensações e é quase cem por cento certo que você se identificará com as sensações experimentadas pelos personagens e, mais extensivamente com o ponto de vista de Bella, e mais extensivamente ainda com os conceitos abstratos e intangíveis imbutidos no flerte de Bella e Edward. Meu medo é que estes conceitos atuem diretamente na sua percepção dos princípios, justamente porque princípios são isso: leis abstratas e intangíveis que com uma força incrível comandam nossas ações mais concretas e palpáveis.

Assim, não seria nenhum absurdo pedir a você cuidado com um tipo de produção que se utiliza de efeitos, imagens, cores e sensações para te passar conceitos. Afinal, se você ama a Deus, um flerte com o pecado seria a ultima coisa que você iria querer, não?

Contribuição: Ângelo Bernardes

Anúncios

25 comentários

  1. Interessante mesmo! Belo post!


  2. e bem interessante mesmo conitnuem assim abraço.


  3. achei muito bom este artigo. Mais é dificil colocar na mente dos nossos jovens que o mal nem sempre está claro de se ver. e eles acabam sendo levados pela emoção, e nem imaginam que as informações ali escondidas pode sim mudar seu ponto de vista em relação a varias coisas, nunca é .


  4. Despertar pensamentos críticos no público alvo da leitura, é uma excelente maneira de ajudar a chegar a conclusões legais sobre o que é mais apropriado assistir. Pensar por si mesmo é ótimo. Gostei dos toques e do raciocínio!


  5. estou muito feliz de ter encontrado este site!!! e muito bom fala com jovens adven


  6. eu ti adoro vc ea bella beijos…………….


  7. oi,gostei muito do artigo…porem gostaria mesmo de um bate papo para trocar nosssas ideias…pq sao duvidas assim…e se ver o filme e levar pra parte só romantica?pode?


  8. quem vai assistir o lua nova em londrina ?:D


  9. amo demais edward e bella!por nao serem criticos uns aos outros


  10. esse filme é muito louco
    já vi 15 vezes em apenas dois meses
    é o poblema é que falam que é para modinhas sabe


    • só. você e fã de carterinha, vc sabe tudo sobre o filme.


  11. todos os livros são viciantes e tentadores .eclipse deixa qualquer uma louca . edward ,jacob sem camisa … deus me salve


  12. eu realmente não tenho nada contra o livro,mas acho que as pessoas se deixam levar pelo filme,como por exemplo:ah o jacob é mais bonito que o edward.tipo acho tbm que esse filme seja uma modinha,apesar da história ser legal e td temos q reconhecer que é totalmente clichê.


    • eeeeee crepuscoloo,lua nova,eclipse e amanhecer sao os melhores filmes do mundo


    • ã se ta louco ñ é só uma modinha é uma vida que dura pouco mais dura


  13. oi amo o filhes de você


  14. eu gosto do fiume e,eu queria paticipa do filme bjos!!!gosto muito de vcs sao um lindo casau bjos!!!se quiser fala com migo vou da meu okut:carolaine.beatriz@gmail.com
    bjos!!!!bjos!!!!!
    bjos!!!!!Bjos!!!!
    bjos!!!!!bjos!!!!
    bjos!!!!bjos!!!!!
    ♥♥♥♥♥eu fiz com muito carinho bjos!!!♥♥♥♥♥
    ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥bjos♥bjos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥da prineira fã
    ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥bjos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥bjos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥bjos♥bjos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥
    lindos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥lindos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥lindos♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥.


  15. oie eu gosto muito do filme adoro a bela eu sou um maior fan tenho figuras filme e até assisti lua nova nos cinema eu tenho todos os livros eu tenho vontade de participar do filme….bjos!!!!!


    • aff ” ate eu


  16. olá achei o filme muito bom, porque conta historia sobre a sedusão de um vampiro, e o romance vampirico e real ele seduz suas vitimas para depois atacar mas tambem tem as mulheres amadas, aquelas que eles tranformão para ser sua rainha para sempre 😀


  17. Nossa…que debate, ainda não tinha enxergado por este lado, é verdade as opiniãos que muitos tem do filme, eu mesma nunca tive interessem em asssistir esatamente por acha que era esaltado vampirismo, gostei…. ´muito bom porque, nos leva a uma fonte de reflexão a outros meios cinematograficos, tendo uma visão mas abrangente e cautelosa a respeito do assunto, afina sabemos que mui perigoso é estar exposto a esses riscos.
    Abraços


  18. EU CONSDARIA DE VER VOCES


  19. Oi eu gosto muito o filme de voce


  20. isso é muito interessante eu queria ser a bela.


  21. eu amo os filmes adoraria que fizessem +



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: