h1

Gólgota

junho 11, 2009

golgota

Ele estava diante do seu povo, mas definitivamente não era como das outras vezes. As mesmas pessoas que tinham feito uma festa de recepção nesta mesma semana, quando ele chegara à cidade, agora estavam pedindo que o matassem. Homens, mulheres, crianças, gritavam! Pediam que aquele homem, que não tinha culpa alguma, fosse morto, morto como um ladrão ou assassino da pior espécie. Diferentemente dos homens que por Ele foram curados e que agora pediam sua morte, Aquele homem não parecia revoltado ou aflito, Ele continuava manso como sempre fora…! Por quê? Ele não era Deus? Pensavam os discípulos. Ele tinha feito tantos milagres, havia feito cegos enxergarem, tinha parado aquela forte tempestade, fez Pedro andar sobre as águas, multiplicara pães para que os seus seguidores não passassem fome, paralíticos agora podiam andar por que ele os havia curado! E agora? Aonde estavam essas pessoas? Agora era Ele que precisava delas! Será que haviam esquecido de Jesus?

No entanto, Jesus não esqueceu de nenhuma delas! Era exatamente por se importar com cada uma daquelas pessoas que Ele estava ali, pronto para ser pregado numa cruz, e morrer como um miserável, quando na verdade, era um Rei! Diferentemente de outras coroações, a de Jesus não foi apreciada e reverenciada com palmas. Eles pediam que aquele homem deixasse de existir, por que eles se achavam auto-suficientes para serem os deuses de suas próprias vidas. Eles não queriam um Pai, um amigo, uma pessoa livre de pecado e que só fazia o bem. Eles preferiam Barrabás, o criminoso, o retrato da maldade…

Lá estava Ele, os cravos agora perfuravam suas mãos, rasgavam seu corpo para sustentá-lo à cruz. O seu corpo mostrava a dor que sofria, mas o seu semblante revelava um outro sentimento; era difícil de entender. Já não se ouvia muitas vozes, as pessoas estavam indo embora, viravam as costas para aquele que tanto fizera por cada um deles! Mas, mesmo ali, pregado na cruz, como se fosse um bandido, Ele mostrava através do seu rosto que era o Senhor Jesus. Daquelas outras duas cruzes, onde pessoas que mereciam estar ali, sofriam muito, aparece um homem, que independente de tudo que fizera de errado, acreditava que Aquele que estava ao seu lado era um homem bom, e acreditava que este Homem poderia salvá-lo.

Ainda hoje a cena se repete. As vezes Jesus tem operado verdadeiros milagres em nossas vidas, e do mesmo jeito, somos ingratos e O pregamos novamente na cruz. Outras vezes, somos pecadores imperdoáveis, vivemos uma vida toda errada, fomos pregados na cruz, mas mesmo assim, o Mestre está ao nosso lado e temos a oportunidade de pedir perdão e alcançar a sua misericórdia.  E agora Jesus olha para o alto, a última gota de sangue escorre pelo seu rosto e Ele diz: “Pai, perdoa-os, eles não sabem o que fazem”. Por quê?! Ele podia ter pedido para se livrar daquele fardo, não podia? Sim, Ele podia! Mas acontece que aquela gota que escorreu pelo rosto do Mestre não era mais uma gota de sangue, e sim, uma gota de amor…

Contribuição: Rebbeca Ricarte

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: