Archive for março \31\-03:00 2010

h1

Testemunho de um Maestro

março 31, 2010
h1

Grandes Personalidades

março 29, 2010

Iniciamos uma nova série às segundas-feiras sobre grandes personalidades da antiguidade:

Enoque

“Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus. Heb. 11:5.

Enoque foi um ensinador público da verdade na época em que viveu. Ele ensinava a verdade; vivia a verdade; e o caráter do ensinador que andava com Deus era, em todos os aspectos, harmonioso com a grandeza e santidade de sua missão. Enoque era um profeta que falava, movido pelo Espírito Santo. Ele foi uma luz em meio à escuridão moral, um homem-modelo, um homem que andava com Deus, sendo obediente à lei de Deus – essa lei que Satanás havia se recusado a obedecer, que Adão havia transgredido, a que Abel havia obedecido e por cuja obediência foi assassinado.

E agora, Deus iria demonstrar ao Universo a falsidade da acusação de Satanás, de que o homem não pode guardar a lei de Deus. Ele demonstraria que embora o homem houvesse pecado, podia relacionar-se de tal modo com Deus que adotaria Sua mente e caráter, e seria um símbolo representativo de Cristo. Esse santo homem foi escolhido por Deus para denunciar a impiedade do mundo e evidenciar-lhe que é possível aos homens observarem toda a lei de Deus. …

Enoque não somente meditava e orava, e revestia-se com a armadura da vigilância, mas retirava-se de suas petições a Deus para pleitear com seus semelhantes. Ele não disfarçou a verdade para achar favor entre os descrentes, negligenciando assim suas almas. Esta íntima ligação com Deus deu-lhe coragem para realizar as obras de Deus. Enoque andou com Deus e “teve o testemunho de que suas obras agradavam a Deus”. Heb. 11:5.

Este é o privilégio de todo crente hoje. É Deus habitando com o homem, e Deus fazendo Sua morada no homem. “Eu neles, e Tu em Mim” (João 17:23), disse Jesus. Caminhar com Deus e ter o testemunho de que suas obras O agradam é uma experiência que não deve restringir-se a Enoque, a Elias, aos patriarcas, aos profetas, aos apóstolos e aos mártires. Não é somente o privilégio, mas o dever de todo seguidor de Cristo ter Jesus entesourado no coração para levá-Lo consigo em sua vida; e eles serão verdadeiramente árvores que produzem frutos.”

Olhando Para o Alto, pág. 222.

h1

O Sábado e os Seres Humanos

março 26, 2010

Jesus disse: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” João 8:32.

A verdade acerca da adoração do sábado nos libera do fardo incessante do trabalho contínuo. Todos os sábados, somos lembrados por um Deus todo poderoso e Criador amoroso que nosso valor intrínseco não depende do quanto realizamos. Somos chamados para a adoração.

Milhões de pessoas encontram sua identidade naquilo que fazem. Seu trabalho as define. O sábado nos convida a encontrar nosso valor próprio não naquilo que fazemos, mas naquilo que somos. O sábado constitui uma lembrança semanal que aponta para nosso valor eterno aos olhos de Deus.

Durante a Revolução Francesa ateísta, com o início da chamada Era da Razão, os franceses adotaram o que denominaram de “calendário republicano” francês, ou “calendário revolucionário”. Esse calendário foi usado durante doze anos na França: de 1793 a 1805. Ele erradicou o ciclo semanal de sete dias, aboliu o dia de culto e criou uma semana de dez dias. Todas as pessoas trabalhavam durante nove dias e tinham um dia de descanso e diversão no décimo.

Napoleão Bonaparte aboliu esse calendário revolucionário com sua semana de dez dias e exigiu que a França retornasse ao ciclo semanal de sete dias. Os trabalhadores franceses não estavam se adaptando bem a esse novo calendário com nove dias de trabalho e um de descanso. Existe um ritmo natural no ciclo semanal de sete dias que leva à adoração de nosso Criador. Ignorar o ciclo semanal edénico(que vem do Éden), dado na criação, torna-nos  vulneráveis a colapsos físicos, mentais e emocionais. Deus nos criou para Ele mesmo. O compromisso de santificar o sábado faz uma diferença enorme em nossa vida.

Para Jesus, o sábado era um dia de adoração e comunhão com Deus. Ele deixava Suas ferramentas na carpintaria de José em Nazaré todos os sábados para ir ao culto na sinagoga. A adoração no sábado era importante para o Salvador. Seu costume era adorar o Pai celestial, absorver Sua Palavra e comungar com Seu povo todos os sábados.

Os Cristãos do Novo Testamento se reuniam a cada sábado para renovar sua força espiritual. Eles se encontravam para encorajar uns aos outros.

Todos os sábados, Deus nos convida a encontrar a mais profunda satisfação na adoração. O sábado é um pedacinho do Céu. Em Seu plano celestial, Deus nos permite vivenciar a eternidade a cada semana, enquanto desfrutamos da alegria da adoração no sábado. Durante esse dia, colocamos nossa prioridade na adoração, e não no trabalho. O sábado nos libera da dureza da labuta diária. Nesse dia, somos libertos do fardo de ganhar a vida para desfrutar do melhor do melhor da existência.

O quarto mandamento é claro demais para ser incompreendido. Deus sabia que, se Ele nos desse apenas um bom conselho, muitos de nós o ignoraríamos. Portanto, deu-nos um mandamento: “Lembra-te do dia de sábado, para santificá-lo. Trabalharás seis dias e neles farás todos os teus trabalhos, mas o sétimo dia é o sábado dedicado ao Senhor, o teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum.” Êxodo 20:8-10. Deus diz “lembra-te”, mas a maior parte do mundo se esqueceu. Nenhum outro dia pode substituir o sábado, porque ele é o único dia que Deus santificou. Priorizar o trabalho em vez da adoração constitui uma corrupção do dia que Deus santificou. É uma desonra a Deus.

(Retirado de Tempo de Esperança páginas 79 e 80, Mark Finley)

h1

Décimo mandamento

março 15, 2010


“Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.” Êxo. 20:17.

“O décimo mandamento fere a própria raiz de todos os pecados, proibindo o desejo egoísta, do qual nasce o ato pecaminoso. Aquele que em obediência à lei de Deus se abstém de condescender mesmo com um desejo pecaminoso daquilo que pertence a outrem, não será culpado de um ato mau para com seus semelhantes.”

Patriarcas e profetas, pág. 309

Terminamos nossa série sobre os dez mandamentos com a seguinte citação:

“Tais foram os sagrados preceitos do Decálogo, proferidos entre trovões e chamas, e com maravilhosa manifestação de poder e majestade do grande Legislador. Deus acompanhou a proclamação de Sua lei com mostras de Seu poder e glória, para que Seu povo nunca se esquecesse daquela cena, e tivesse a impressão de uma profunda veneração pelo Autor da lei, o Criador do Céu e da Terra. Desejava mostrar também a todos os homens a santidade, a importância e a permanência de Sua lei.”

Patriarcas e profetas, pág. 309

h1

Empurradores de Pedra

março 12, 2010

Após assistir à pregação do líder mundial de jovens, Pr. Baraka Muganda, no 3º campori de desbravadores da União Nordeste, em Natal – RN, pude refletir de uma forma mais aprofundada nas passagens bíblicas que relatam a história de Lázaro. Em 44 versos, João nos fala sobre o milagre da ressurreição de Lázaro, a quem Jesus muito estimava. Ao chegarem em Betânia, Jesus e seus discípulos, Lázaro jazia no sepulcro há 4 dias. Mas por que isso aconteceu? Por que Jesus permitiu que Lázaro, seu amigo, fosse levado pela morte?

Jesus queria mostrar com esse acontecimento que Ele é a ressurreição e a vida, Jesus queria mostrar que Ele estava no comando, Ele queria mostrar o que acontece quando permitimos que Ele trabalhe em nossa vida. Ao chegar no lugar do sepulcro, Jesus ordena que a pedra seja retirada, ao passo que Marta, irmã de Lázaro, questiona tal atitude, pois o corpo, após 4 dias, já cheirava mal. Refleti nesses versos por um momento, e me perguntei: Por que Jesus não retirou Ele mesmo a pedra? O que Jesus queria ensinar com tal ordem?

Nosso limitado entendimento não nos deixa ver além de uma simples ordem. Jesus, ao ordenar que a pedra seja retirada, deixa claro que, para o milagre ser feito, precisamos fazer a nossa parte. A pedra poderia ser retirada por mãos humanas, nós mesmos podemos empurrar a pedra de nossa vida. Marta questiona sobre o mal cheiro causado pela decomposição do corpo. Mais uma vez, podemos ver simbolismos na história de Lázaro. Muitas vezes nossa própria história cheira mal, por vezes nos sentimos envergonhados, nos achando indignos de ir à presença do Mestre, por achar que não merecemos seu amor, não merecemos sua misericórdia. Jesus não queria saber se o corpo cheirava mal, Ele apenas queria que a parte que competia aos homens fosse feita, pra que a parte que competia a Ele fosse realizada.

A pedra precisava ser retirada para que o milagre acontecesse. Muitas vezes parece impossível ir à presença de Jesus, pedir perdão, por vezes o passado nos persegue, o mal espreita à porta, mas nesse momento, precisamos nos lembrar dos ensinamentos do Mestre.

Precisamos ser fortes, Ele apenas quer que façamos a nossa parte, não importando como vamos à Sua presença, não importando a nossa história, não importando quem fomos. Ele pede que empurremos a pedra de nosso duro coração, para que possa entrar e fazer morada em nós, realizando milagres em nossa vida. É só isso que precisamos fazer, a parte difícil, certamente, podemos contar com o poder de Jesus.

Que tal começarmos esse exercício, de retirar as pedras de nosso coração, um dia de cada vez?

Priscila Serbim

h1

Nono mandamento

março 8, 2010

Aqui se inclui todo o falar que seja falso a respeito de qualquer assunto, toda a tentativa ou intuito de enganar nosso próximo. A intenção de enganar é o que constitui a falsidade. Por um relance de olhos, por um movimento da mão, uma expressão do rosto, pode-se dizer falsidade tão eficazmente como por palavras. Todo o exagero intencional, toda a sugestão ou insinuação calculada a transmitir uma impressão errônea ou desproporcionada, mesmo a declaração de fatos feita de tal maneira que iluda, é falsidade. Este preceito proíbe todo esforço no sentido de prejudicar a reputação de nosso próximo, pela difamação ou suspeitas ruins, pela calúnia ou intrigas. Mesmo a supressão intencional da verdade, pela qual pode resultar o agravo a outrem, é uma violação do nono mandamento.

Patriarcas e Profetas, pág. 309

h1

Impacto Esperança 2010

março 7, 2010
h1

Por que Deus diz não?

março 4, 2010

Conhecer a vontade de Deus é uma das maiores buscas humanas. Alguns a procuram pela reflexão, outros pelo sofrimento, outros ainda através de sua visão pessoal e muitos a buscam na Revelação. Exatamente por se apresentarem tantos caminhos para chegar a um mesmo destino é que este se tornou um tema muito controvertido e incompreendido.

O maior risco da busca pela verdade, é trocar a revelação bíblica pelas opiniões ou interesses pessoais. Usar os próprios argumentos para definir o que é certo ou errado, o que Deus quer e o que Ele não quer. Se pudéssemos conhecer a vontade de Deus por argumentos, os mais habilidosos com a palavra ou com a escrita sempre teriam a posição final sobre ela.

Aliás, isso é o que está acontecendo no mundo religioso de hoje. As religiões que mais crescem são aquelas que tem líderes e oradores carismáticos, que sabem trabalhar bem as palavras e argumentos. Acabam convencendo as pessoas de que aquilo que falam é a verdade, e arrastam muita gente consigo.

Muitas vezes o risco do “achismo”, a confiança na verdade baseada em opiniões pessoais, aparece entre nós Adventistas. Muitas pessoas, seguras de sua maneira de ver as coisas, dispensam as palavras inspiradas, colocando-as na moldura da desatualização, e confiantes na sua própria argumentação acham que muitas coisas devem ser diferentes do que são.

Muitos destes defendem que precisamos nos tornar mais contemporâneos. Temos que nos adaptar a uma nova época. Em meio a toda esta discussão, uma palavrinha tem sido o centro das atenções. De acordo com a maneira que ela é vista, pode ser definida a solução do problema. Esta palavrinha mágica, pequena mas forte é “NÃO”.

Qual deve ser a nossa posição quanto ao seu uso? Abolir e adaptar nossos hábitos e crenças? Ou ser ainda mais criteriosos? Vamos voltar um pouco no tempo e chegar à época de Jesus. Assim podemos entender como Ele se relacionou com esta palavra. Segundo Paulo, Cristo veio quando havia chegado a “plenitude dos tempos” (Gálatas 4:4). Em outras palavras, o mundo e a religião estavam tão longe do plano de Deus, que Cristo não poderia esperar mais para consertar a situação.

Se Ele demorasse um pouco mais para vir, possivelmente os homens não teriam mais condições de compreendê-lo. A vida religiosa precisava ser redirecionada. Cristo precisava preparar um povo que O representasse corretamente. Precisava de um movimento que falasse a verdade ao coração do povo.

Não é difícil notar que a realidade daquela época é muito parecida com a de hoje -religião confusa, e um povo precisando ser alcançado com a verdade. Sendo que os contextos são semelhantes, é importante observar como Cristo tratou o uso do “NÃO” naquela época.

Entendendo Sua postura, poderemos definir melhor a nossa. Dentro do sermão do monte, o discurso de fundação da Igreja Cristã, e o mais abrangente dentre os que estão relatados na Bíblia, Cristo tratou o assunto do “NÃO” (Mateus 5:21-37). É interessante notar que Ele, ao invés de anular ou diminuir, ampliou os limites conhecidos pelo povo. Ele saiu do “NÃO” visível e foi mais longe, entrando no mundo do “NÃO” invisível.
Ele foi além do “NÃO” ato, e chegou até o “NÃO” pensamento. Ele terminou essa seção do sermão deixando sua posição clara: “cuidado com a tentativa de encontrar um meio termo para a verdade. Sejam suas posições SIM, SIM e NÃO, NÃO”.

A medida que estivermos mais perto da volta de Cristo, Satanás vai criar novas e sutis maneiras de afastar o povo de Deus de Sua vontade. Por isso, mais claras e definidas devem ser nossas posições e crenças. Diante disso, precisamos entender claramente porque Deus diz “NÃO”.

Os motivos porque Ele apresenta Sua vontade de maneira tão objetiva e sem aberturas. Esta compreensão vai nos ajudar a aceitar Sua vontade não como imposição, mas como proteção.

Existem pelo menos quatro motivos:Para não brincar com o fogo Deus sabe que muitas coisas aparentemente inofensivas escondem um grande perigo por trás de si. Quando Ele diz “NÃO” para algumas coisas que muitas vezes achamos simples, pequenas ou até desnecessárias, Ele sabe o que mais elas envolvem.

Nem sempre conseguimos enxergar isso. Quem brinca com fogo, corre o risco de se queimar.Deus sabe, por exemplo, que um pouco de bebida alcoólica tem um efeito pequeno sobre a mente e o corpo. Por que, então, ela é proibida? Por que não permitir um pouco? Existem várias pesquisas que analisam o risco de quem bebe socialmente se tornar um alcoólatra.

A maioria delas indica que 12% vai chegar lá. Parece um percentual pequeno, mas ele representa um sério risco. Deus conhece cada pessoa. Ele sabe que alguns só querem brincar com a bebida, mas poderão cair mais fundo. Outros, quem sabe, podem acabar se tornando viciados em “beber socialmente” porque não conseguem abandonar este hábito.Deus conhece os riscos, por isso diz não.

Satanás sempre tenta uma pessoa em seu ponto fraco. Por isso, quando alguém quer adaptar, ou fazer alguma abertura na vontade de Deus, já esta demonstrando que este é seu ponto fraco. Sinal de perigo. A história de Eva se repete. Sempre que alguém quiser enfrentar a tentação do seu jeito, se achando forte para lhe controlar, vai acabar muito mais envolvido do que imaginava. Brincar com o ponto fraco, ou com o fogo, é pedir para se queimar.

Me lembro sempre de uma frase que aprendi na escola: “Pequenas oportunidades são o princípio de grandes acontecimentos”. Evitar limites humanos Quando você decide criar sua própria verdade, e faz concessões, qual é o limite delas? As explicações que sempre são ouvidas são: “Um pouco só não tem problema”, “Só vou para ver filmes bons”, “Não vejo problemas com um anelzinho ou uma correntinha discretos”.

A pergunta, porém, continua: Até onde vai este “só um pouco”? Quais são os bons filmes que não tem problemas? Qual é o tamanho do anelzinho, ou da correntinha discretos? Se a verdade deixa de ser absoluta, e começam a ser feitas concessões ou aberturas, surgem duas realidades:

1. Cada pessoa cuida de sua vida e estabelece seus próprios limites. A verdade deixa de ser única, e passa a ser pessoal. Cada um tem a sua. Uns mais rígidos e outros mais liberais.

2. A igreja cria regras para definir até onde vão as aberturas, e quais serão os limites. Ai a verdade passa a ter contornos humanos. Alguém vai definir o que será a verdade, e todos deverão segui-la. Perigo! Não podemos correr o risco de nos tornarmos como os fariseus, com regrinhas e mais regrinhas criadas por homens, nem tornar a religião uma questão apenas pessoal, pois assim colocamos o homem no lugar de Deus.

Por isso, Deus diz não. A verdade absoluta é mais segura. Evitar confundir um cristão, somos a única demonstração da vontade de Deus aqui na terra. As pessoas precisam conhecer a Deus olhando para nós. Somos Suas testemunhas. Se não formos exemplos claros, o cristianismo perde sua força.

Se no trabalho um jovem Adventista é exatamente igual a todos os outros colegas, que diferença faz ser cristão? Poderá ser reconhecido? Se no Sábado a noite uma garota sai, e sua aparência é igual a das outras que não tem nenhum interesse na vontade de Deus, como Ele pode ser reconhecido nela? Se um garoto está em uma mesa de bar, com uma latinha de cerveja na mão, junto com seus amigos, será possível identifica-lo com um cristão?

É preciso sempre lembrar que a transformação operada por Cristo nos torna testemunhas silenciosas. Os outros podem ver Cristo em nós pela maneira como nos apresentamos. Deus não pode correr o risco de fazer concessões para nos parecermos com as pessoas que não se entregaram a Ele, pois somos as únicas testemunhas dEle neste mundo. Estas testemunhas precisam estar cada dia mais visíveis e fáceis de reconhecer. Para vencer as sutis tentações de satanás Quanto mais perto do fim, mais discretas e sutis serão as tentações de Satanás. Precisamos ser claros e definidos, quanto à verdade, para que ele não tenha espaço.

Quando o “NÃO” é substituído pelo “mais ou menos” , ou “um pouco não tem problema”, ou mesmo “não vejo mal nenhum”, fica difícil reconhecer o caminho de Deus, e satanás se aproveita. Quanto menos relativismo, adaptações ou “achismos” houver na verdade, mais eficiente e poderosa ela será.

Abraços,
Vinicius A. Miranda