Archive for abril \26\UTC 2010

h1

Moisés

abril 26, 2010

“Então, disse Moisés a Deus: Quem sou eu para ir a Faraó e tirar do Egito os filhos de Israel? Deus lhe respondeu: Eu serei contigo; e este será o sinal de que Eu te enviei: depois de haveres tirado o povo do Egito, servireis a Deus neste monte. Êxo. 3:11 e 12.

Devoção e humildade sempre caracterizaram os homens a quem Deus confiou importantes responsabilidades em Sua obra. O chamado divino a Moisés no deserto encontrou-o sem confiança em si mesmo. Ele reconheceu sua incapacidade para a posição a que Deus o chamara; havendo, porém, aceito o encargo, tornou-se um polido instrumento nas mãos de Deus para realizar a maior obra já confiada aos mortais.

Houvesse Moisés confiado em sua própria força e sabedoria, aceitando com avidez a grande incumbência, e teria evidenciado sua completa inaptidão para tal obra. O fato de que um homem sente a sua fraqueza é ao menos alguma prova de que se compenetra da magnitude da obra a ele designada, e isso dá lugar à esperança de que fará de Deus seu conselheiro e força. Tal pessoa não irá mais longe nem se moverá mais depressa do que sabe que Deus a está guiando.

O homem adquirirá força e eficiência ao aceitar as responsabilidades que Deus põe sobre ele, e ao procurar de toda a alma qualificar-se para assumi-las devidamente. Por humilde que seja a sua posição ou limitada a sua habilidade, atingirá a verdadeira grandeza o homem que atende prazerosamente ao chamado do dever e, confiando na força divina, procura efetuar sua obra com fidelidade. Ele sentirá que tem o sagrado encargo de batalhar contra o mal, de fortalecer o que é certo, de elevar, confortar e abençoar seus semelhantes. A indolência, o egoísmo e o amor da aprovação terrena precisam submeter-se a esse elevado e santo chamado.

Empenhado em semelhante trabalho, o fraco tornar-se-á forte; o tímido, audaz; o irresoluto, firme e decidido. Cada qual vê a importância de sua posição e atitude, visto que o Céu o escolheu para realizar um trabalho especial para o Rei dos reis. Tais homens deixarão o mundo em melhor situação por haverem vivido nele. Sua influência é exercida para elevar, purificar e enobrecer todos aqueles com quem se põem em contato, e assim eles ajudam a preparar os semelhantes para as cortes celestiais.”

Signs of the Times, 11 de agosto de 1881.

h1

José

abril 19, 2010

“Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na Terra e para vos preservar a vida por um grande livramento. Assim, não fostes vós que me enviastes para cá, e sim Deus, que me pôs por pai de Faraó, e senhor de toda a sua casa, e como governador de toda a terra do Egito. Gên. 45:7 e 8.

O desígnio de Deus era que por intermédio de José a religião bíblica fosse introduzida entre os egípcios. Esta fiel testemunha devia representar a Cristo na corte dos reis. Por meio de sonhos, Deus Se comunicou com José em sua juventude, dando-lhe uma indicação da elevada posição que ele seria convidado a ocupar. Os irmãos de José, para impedir o cumprimento de seus sonhos, venderam-no como escravo, mas o seu ato de crueldade resultou na execução daquilo mesmo que os sonhos haviam predito.

Aqueles que procuram frustrar o propósito de Deus e opor-se a Sua vontade podem parecer prosperar durante algum tempo; mas Deus está a postos para cumprir Seus próprios desígnios, e Ele manifestará quem é o governante dos Céus e da Terra.

José considerou o ser vendido para o Egito como a maior calamidade que lhe poderia haver sobrevindo; viu, porém, a necessidade de confiar em Deus como nunca o fizera quando protegido pelo amor de seu pai. José levou Deus consigo para o Egito, e isto se tornou patente pela sua atitude animosa em meio da aflição. Como a arca de Deus trouxe descanso e prosperidade a Israel, assim esse jovem amante de Deus e a Ele temente levou uma bênção ao Egito. Isto se manifestou de maneira tão assinalada, que Potifar, em cuja casa ele servia, atribuiu todas as bênçãos que fruía ao escravo que comprara, e dele fez mais um filho que um servo. O propósito de Deus é que aqueles que amam e honram o Seu nome também sejam honrados, e que a glória dada a Deus por seu intermédio seja refletida sobre eles mesmos.

O caráter de José não se modificou quando ele foi elevado a uma posição de confiança. Foi conduzido aonde sua virtude brilharia de maneira distinta, em boas obras. A bênção de Deus repousou sobre ele na casa e no campo. Todas as responsabilidades da casa de Potifar foram colocadas sobre ele. E em tudo isso José manifestou firme integridade; pois amava e temia a Deus.”

Youth´s Instructor, 11 de março de 1897.

h1

Qual é a sua experiência?

abril 15, 2010

No início de fevereiro, tive a chance de participar de um final de semana de oração com o pastor Samuel Neves, um brasileiro que lidera uma igreja inglesa. Na mensagem da sexta-feira, uma das primeiras indagações do pastor foi quem era Deus para cada um ali presente. E sem nos deixar pensar, ele afirmou que, se perguntássemos a Noé quem era Deus, ele certamente responderia que foi quem o mandou construir a arca do dilúvio. Para Samuel, talvez Aquele que o chamou pelo nome. Para Moisés, Aquele que abriu o Mar Vermelho.

Isto é, a Bíblia é um livro de histórias, relatos de pessoas que provaram do amor e grandeza de Deus. A mensagem do pastor Samuel me fez pensar o quanto é importante que tenhamos o nosso relacionamento com Deus, individualmente. Se alguém passa por uma doença, por exemplo, é impossível outra pessoa “sentir muito” por algo que ela nunca teve, não experimentou. Tenho percebido isso quando alguns perguntam como tem sido a minha experiência em outro país, afinal, por mais que eu tente detalhar, a situação leva a emoções indescritíveis, que podem ser vivenciadas apenas por quem passa.

Neste sábado, sugiro que você possa refletir nas perguntas a seguir: Quem é Deus para você? Você já provou do amor dEle? Se alguém te perguntar quem é Deus, você vai relatar a história de outra pessoa ou é capaz de contar sobre a SUA própria experiência? Se essas questões ainda permanecem sem respostas, busque conhecer o nosso Deus em espírito e verdade, pois quando nos deleitamos em seus caminhos, nos deparamos com a Sua grandeza e o Seu amor. Logo, seremos capazes de dizer aos outros da nossa própria experiência, da NOSSA história com Deus.

Tatyanne de Morais

h1

Impacto 2010 chegando!

abril 15, 2010

Acesse: www.esperanca.com.br

h1

Abraão

abril 12, 2010

Abraão

“Depois destes acontecimentos, veio a palavra do Senhor a Abrão, numa visão, e disse: Não temas, Abrão, Eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande. … Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade. Ele creu no Senhor, e isso lhe foi imputado para justiça. Gên. 15:1, 5 e 6.

Deus queria que Abraão fosse um conduto de luz e bênção, que ele tivesse uma influência agregativa, e que Deus tivesse um povo sobre a Terra. Abraão devia estar no mundo, refletindo em sua vida o caráter de Jesus. Quando recebeu o chamado divino, Abraão não era um homem famoso, nem um legislador ou conquistador. Ele era um simples criador de gado, que habitava em tendas, mas empregava um grande número de trabalhadores para levar avante sua humilde ocupação. E a honra que ele recebeu foi devido a sua fidelidade a Deus, estrita integridade e procedimento justo.

O Senhor disse a seu respeito: ‘Ocultarei a Abraão o que estou para fazer, visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da Terra? Porque Eu o escolhi para que ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, a fim de que guardem o caminho do Senhor, e pratiquem a justiça e o juízo; para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que tem falado a seu respeito.’ Gên. 18:17-19.

A vida altruísta de Abraão tornou-o realmente um ‘espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens’. I Cor. 4:9. E o Senhor declarou que abençoaria os que bendissessem a Abraão, e puniria os que o maltratassem ou prejudicassem. Por meio da experiência de Abraão em sua vida religiosa, tem sido transmitido um correto conhecimento de Jeová a milhares de pessoas; e a sua luz lançará seus raios ao longo do caminho dos que praticam a piedade, a fé, a devoção e a obediência de Abraão.

Abraão teve conhecimento de Cristo; pois o Senhor o esclarecera quanto ao Redentor do mundo. E ele fez saber a sua casa e a seus filhos que as ofertas sacrificais prefiguravam a Cristo, o Cordeiro de Deus, que seria morto pelos pecados do mundo. Assim, ele reuniu conversos para crerem no único Deus vivo e verdadeiro.”

Youth´s Instructor, 4 de março de 1897.

h1

Um Dia de Esperança!

abril 10, 2010

http://www.esperanca.com.br/umdiadeesperanca/

Endereço reduzido: http://migre.me/v554 – para quem vai twittar

Você ainda não sabe de um Dia de Esperança? Pois saiba agora mesmo lendo essa revista!

h1

Chuva

abril 8, 2010

Certa manhã de Sábado, eu estava indo juntamente com minha família à igreja. Chovia muito e minha preocupação era como iríamos sair do carro para entrar na igreja, pois um curto caminho havia de ser percorrido até a mesma. Foi aí que eu, com um ato de egoísmo tipicamente humano, orei para que Deus cessasse a chuva, e como que por um milagre aos meus olhos, poucos minutos depois, a chuva parou. Nesse momento, em minha mente caía uma tempestade dos mais variados pensamentos. Orei para que a chuva parasse, porque eu queria que assim fosse, porque eu queria que o meu desejo fosse atendido. Mas esqueci das inúmeras pessoas que faziam uma súplica diferente da minha, essas pessoas oravam para que chovesse mais.

Logo, aquele turbilhão de pensamentos tornou-se uma bela mensagem em meu coração. Deus derrama chuva para todos. Ele não escolhe mandar chuva só para quem precisa, e o mesmo Ele faz com as bênçãos. Ele derrama chuvas de bênçãos para todos, por mais pecadores que sejamos. A diferença é que muitos não estão preparados para receber essas bênçãos. Muitas vezes estamos mais preocupados com a tempestade diária de problemas, de afazeres, dias cada vez mais corridos, esquecendo-nos de nossa comunhão constante e diária com Deus.

A chuva cai para todos, e bênçãos também. Faça um pacto com Deus, entregue sua vida a Ele, faça dEle o seu ponto de referência, faça dEle o seu amigo particular. Com certeza, você saberá reconhecer o que Ele faz em sua vida, aproveitando cada gota da chuva de bênçãos do Nosso Senhor Jesus Cristo.

“O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”, é a Sua promessa, e Ele a cumpre cada dia na minha e na sua vida. Aceite-O, e uma grande mudança haverá em seu viver.

Priscila Serbim