Archive for the ‘Atualidades’ Category

h1

Cineasta adventista fala sobre o sábado com Oprah Winfrey

setembro 3, 2012

Devon Franklin, 34 anos,cresceu na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Como parte de sua fé, ele guarda o sábado,sendo assim guardado do pôr-do-sol da sexta-feira ao pôr-do-sol do sábado. Com isso, ele tem que realmente “desconectar seu blackberry”nesse período indo contra os costumes de Holywood. Em uma entrevista com Oprah Winfrey, ele fala de sua fé, de seus princípios e de como conseguiu chegar até onde chegou mesmo seguindo tudo o que acredita.

Franklin lançou um livro entitulado Produced By Faith em que compartilha pensamentos e conselhos de como uma pessoa consegue chegar a ter enorme sucesso sem perder os princípios, a espiritualidade em relação as coisas materiais deste mundo.

Há outros fatos interessantes também sobre Franklin como o seu voto de castidade(celibato) com sua noiva e atual esposa Meagan Good também atriz. Hoje já são casados.

Veja uma parte da entrevista com legendas abaixo:

 

Anúncios
h1

Feito para as alturas

janeiro 22, 2010

Ele o fez cavalgar sobre as alturas da terra… (Deut. 32: 13)

Responda rápido: Qual é o alvo e propósito da sua vida?? (…) Hum…? Não tem? Então você faz parte da maioria esmagadora da população. Em geral, o que as pessoas querem é um diploma, um bom emprego, ter a própria casa e carro, formar uma família, ser feliz e nada mais. Parece um bom conceito de vida,  humilde e sem arrogância. Mas na verdade, essa é a famigerada mediocridade. E Deus não nos fez para isso.

Na verdade, Ele nos criou com grandes expectativas. Deus sonha mais alto para nossa vida do que nós mesmos. Seu coração de pai anseia que sonhemos com grandes feitos. Aliás, sabe aqueles sonhos que você tem vergonha de contar ao seu melhor amigo por serem altos demais? Pois é, são estes que agradam a Deus. Pois, se levarmos em consideração a grandeza e o poder de Deus e lembrarmos de Seu amor por nós e que somos Seus filhos, então podemos concluir que é ofensa viver na mesquinhez ou mediocridade.  Porque todos os Seus super-poderes estão à disposição para quem quer escalar as alturas.

Mas, você pode me dizer: – Pastor, sou filho de Deus, mas não vivo a experiência do sucesso. Por quê? Bem, toda pessoa que busca o sucesso deve saber que nada cai do Céu por acaso, nem mesmo as bênçãos de um Pai de amor. Para que você receba o auxílio divino para alcançar uma alta meta de vida, deve seguir algumas normas.

Como chegar às alturas

Primeiro, é preciso eliminar os pecados da alma. O pecado é como uma enorme bola de ferro amarrada à nossa perna com correntes. É impossível voar assim! Existe uma urgente necessidade de abandonar pequenos e grandes erros para se chegar à meta. Enquanto as inclinações naturais estiverem vencendo na vida, as bênçãos do Céu não chegarão. Portanto, quem quer alcançar algo importante deve tomar uma resoluta decisão de batalhar contra as próprias tendências. A vitória contra os pecados é a primeira de muitas. Se, ao ler estas linhas, você resolver fazer um exame em seu coração, quero adverti-lo que possivelmente vai encontrar pecados que foram responsáveis por mantê-lo rastejando. Mas, aproveite a oportunidade para confessar seu erro a Deus, busque o arrependimento, peça perdão, abandone o pecado e fique livre para voar.

Segundo, deve ser fiel aos princípios religiosos. Esteja onde estiver, faça o que fizer mantenha as normas bíblicas intactas. Não caia na tentação de achar que, em alguns momentos, será preciso burlar algum preceito divino para chegar a algum lugar; este é um conceito espúrio. Na verdade, quanto mais íntegro você for, mais beneficiado será por Deus. Outro aspecto da fidelidade incondicional aos princípios de Deus é a confiança que você vai gerar em pessoas que poderão abrir portas a você. Sobre a fidelidade ainda, lembro de uma promessa divina registrada por Ellen White: “Amparados pelos princípios religiosos, podeis atingir qualquer altura que desejardes.” (Mensagens aos Jovens, 36)

Terceiro, é determinante você estabelecer um alvo. Analisando dentro do contexto de alcançar sucesso, não adianta você limpar seu coração, guiar-se pelos princípios bíblicos se você não sabe aonde quer chegar. Portanto, estabeleça um alvo concreto e bem definido. E muito, muito alto!!! Não tenha medo de arriscar, coloque um grande objetivo para sua vida. Se você tiver em mente aonde quer chegar, saberá o que fazer no presente. Suas decisões e atitudes de agora serão norteadas pela sua meta de futuro. Contudo, lembre que você não vai chegar lá num mês ou num ano.  A construção do sucesso é semelhante à de uma torre; Depois do projeto, vêm as etapas de edificação que iniciam com a base passando pelo erguimento das paredes até o acabamento. Então, programe-se a longo prazo. E lembre: Nenhuma torre foi construída num passe de mágicas, mas elas existem…

Bem, depois disso restam somente três coisas: Trabalhar, trabalhar e trabalhar. Não poupe esforços legítimos para chegar ao topo. Não tenha dó de você mesmo. Acredite que seu esforço diário, por mais que não aparente, está aprofundando raízes para você crescer com firmeza e não cair lá de cima. Não se detenha na grande soma de trabalho que terá que realizar na vida, isso pode oprimi-lo. Olhe para o trabalho do dia lembrando que deve viver um dia de cada vez. Mesmo assim, terá dificuldades, mas em cada dificuldade superada você vai receber mais força para a próxima. E uma vitória após outra vai gerar em você uma das principais virtudes das pessoas de sucesso, a perseverança.

E um último conselho, querido jovem. Saiba que tipo de sonho você deve sonhar. Deus não considera a aquisição de coisas materiais e mundanas como provas de sucesso grande sucesso; na realidade, isso seria rastejar em uma piscina com bolhas de sabão. O verdadeiro sucesso é medido pelo tanto de pessoas que você vai influenciar para o bem. Quanto mais pessoas você influenciar positivamente mais sucesso você terá. Quer um grande exemplo? Jesus. Ele foi a pessoa de maior sucesso que já pisou nessa terra, pois influenciou o mundo todo em todas as gerações. Siga Seus passos e você um dia vai chegar onde Ele está.

Reflita um pouco mais

“Perseverai na obra que iniciastes, até alcançardes uma vitória após outra. Educai-vos para esse fim. Conservai em vista a mais elevada norma, a fim de realizardes maior e ainda maior bem, refletindo assim a glória de Deus.” Ellen White (Mensagens aos Jovens, 48)

“E o Senhor te porá por cabeça, e não por cauda; e só estarás em cima, e não debaixo, quando obedeceres aos mandamentos do Senhor, teu Deus, que hoje te ordeno, para os guardar e fazer.” Moisés (Deuteronômio 28:13)

h1

Torcer para um time de futebol é errado?

julho 30, 2009

Realmente, há opiniões diversas sobre os assuntos que mencionou e a igreja não tem um posicionamento oficial (pelo menos que eu conheça). Creio que precisamos fazer uso do bom senso e avaliar qualquer prática com base nos princípios de Filipenses 4:8.

Particularmente não creio que torcer por um time ou assistir um jogo pela TV (desde que não seja no Sábado) seja pecado. Isso faz parte da cultura brasileira e não temos como fugir. Mas, se isso se torna prejudicial, ao ponto de nos tirar a paz, nos fazer brigar e deixarmos as coisas de Deus de lado, é melhor até evitar assistir ou ouvir (sei por experiência própria). Cada um precisa encontrar o equilíbrio nessa questão e avaliar – com sinceridade diante de Deus e consigo – se tem estrutura emocional e espiritual para torcer por uma equipe de futebol. Recomendo que as pessoas orem ao Senhor a respeito.

Quanto a ir a estádios de futebol, a Igreja, de forma indireta, não recomenda. Isso pode ser visto nos princípios expostos no Manual da Igreja, pág. 221: “Na vida cristã há completa separação das práticas do mundo, tais como jogos de baralho, assistência a teatros [aqui pode se enquadra a ida aos estádios] e cinemas, a bailes, etc. [aqui também está implícita a ida ao estádio], que tendem a amortecer e destruir a vida espiritual (2 Cor. 6:15-18; 1 João 2:15-17; Tiago 4:4; 2 Tim. 2:19-22; Efésios 5:8-11; Col. 3:5-10…”.

Outras bases para isso podem ser encontradas no Salmo 1:1-6, nos perigos de violência que rodeiam o local e nas práticas que ali são realizadas (até urina é jogada nas pessoas que estão abaixo, nas arquibancadas…).

Pergunta feita por Vinicius A. Miranda e respondida pelo:
Pr. Leandro Quadros – Jornalista e pós-graduando em Jornalismo Científico.

h1

Como Votar

fevereiro 16, 2008

PERGUNTA: Gostaria uma explicação quanto ao assunto de votar, pois fiquei muito curioso ao ver esse texto o outros de Ellen White?

“O Senhor quer que Seu povo enterre as questões políticas. Sobre esses assuntos, o silêncio é eloqüência. Cristo convida Seus seguidores a chegarem em unidade nos puros princípios evangélicos que são positivamente revelados na Palavra de Deus.

Não podemos, com segurança, votar por partidos políticos; pois não sabemos em quem votamos. Não podemos, com segurança, tomar parte em nenhum plano político. Não podemos trabalhar para agradar a homens que irão empregar sua influência para reprimir a liberdade religiosa, e pôr em execução medidas opressivas para levar ou compelir seus semelhantes a observar o domingo como sábado.

O primeiro dia da semana não é um dia para ser reverenciado. É um falso sábado, e os membros da família do Senhor não podem ter parte com os homens que o exaltam, e violam a lei de Deus, pisando Seu sábado. O povo de Deus não deve votar para colocar tais homens em cargos oficiais; pois assim fazendo, são participantes nos pecados que eles cometem enquanto investidos desses cargos.” (Fundamentos da Educação Cristã pág.475)

RESPOSTA: Creio que o texto é bastante claro: não devemos votar motivados tão-somente pela sigla partidária. Devemos, sim, avaliar o condidato como pessoa. Conhecer suas propostas, seu estilo de vida e, principalmente, sua relação com o assunto liberdade religiosa

Votar é uma questão de cidadania e devemos exercer esse direito com sabedoria e prudência. Desde que esse direito não conflite com nossos princípios religiosos (que devem estar acima de qualquer outra coisa), podemos e devemos exercê-lo.

Respondido por: MICHELSON BORGES

h1

Pornografia vicia mais que crack

fevereiro 15, 2007

Um estudo realizado pelo Comitê de Ciência e Tecnologia do Senado norte-americano mostrou que a pornografia na Internet pode ser mais viciante do que o crack ou a cocaína. Imagens de misoginia, pedofilia ou sexo oral podem provocar efeitos negativos em muitos internautas.

De acordo com a revista Wired, o estudo concluiu que os viciados em pornografia na Internet levam mais tempo para se recuperar do que drogados que usam crack ou cocaína.

Pior ainda, os viciados em crack conseguem eliminar a droga do organismo. No caso dos dependentes de pornografia digital, mesmo depois do tratamento, as imagens pornográficas permanecem no cérebro do paciente.

Para Mary Anne Layden, co-diretora do Programa de Psicopatologia e Traumas Sexuais da Universidade de Pensilvânia, a pornografia é, atualmente, o maior perigo para a saúde psicológica das pessoas.

“A Internet tem o melhor sistema de entrega de drogas. O usuário é anônimo e facilmente estimulado a adquirir novos padrões de comportamento”, explica Layden. “A droga (a pornografia) é entregue 24 horas por dia, sete dias por semana em sua própria casa”, acrescenta.

Para Layden uma geração de jovens viciados está surgindo. E eles nunca vão querer tirar a “pornografia” de suas mentes.

Redação Terra

http://informatica.terra.com.br/interna/0,,OI427942-EI553,00.html

h1

Adolescentes – Seus 10 problemas

fevereiro 15, 2007

As maiores lutas enfrentadas pelos adolescentes e
o que você pode fazer para ajudá-los.

Se você trabalha com adolescentes do ensino médio, provavelmente irá confrontar algumas questões muito difíceis: gravidez, uso de drogas, violência, sérios conflitos familiares e todos os tipos de crises. Se você trabalha com essa faixa etária, sabe que com freqüência o pior problema que enfrentam é saber se as meias e os sapatos estão combinando. É sério!

Naturalmente, esta é uma verdade universal – alguns adolescentes já estão enfrentando essas questões. Felizmente, são raros os dados estatísticos que relatam meninas de 11 anos grávidas ou meninos nessa faixa etária usando cocaína.

Esses jovens estão no começo de sua trajetória e é por isso que amo o trabalho que realizo com eles por 15 anos. A maioria ainda não fez escolhas significativas que marcarão profundamente sua vida futura.

Cerca de dois anos atrás, decidi iniciar uma relação com os problemas mais comuns enfrentado por nosso ministério com esse grupo. A primeira descoberta: Uma adolescente irá ligar a qualquer hora, do dia ou da noite, para falar a respeito de suas espinhas. Aprendi também que a maioria deles parece passar por um ciclo de problemas previsíveis. Se o Antonio está tendo problemas no relacionamento com uma menina, provavelmente enfrentará o mesmo problema seis meses depois.

Na minha relação, inicio com as 10 lutas mais comuns por eles enfrentadas. Incluí com cada luta uma sugestão de como tratá-la, extraída de nossos esforços algumas vezes bem-sucedidos.

1. Falta de Amigos – Facilmente, este é o problema número 1 enfrentado pelos adolescentes. Alguns deles têm tantos amigos que me pergunto como têm tempo para todas as mensagens que recebem. Mas muitos são solitários, e têm muito tempo para se questionar se alguém fará amizade com eles. Se o chamarão para participar dos jogos.

A maioria dos adolescentes simplesmente deseja ter um amigo. Você e os líderes adultos podem fazer isso. Mas deixe sua dignidade à porta. Você terá de fazer coisas que os jovens gostam, mesmo que isso signifique fazer guerra com pistola de água no parque local. Compareça aos eventos esportivos. Descubra seus hobbies e interesses, então lhes peça informação a respeito. Não tenha vergonha de convidá-los a participarem de seu mundo – se você pratica algum esporte, convide os jovens para jogarem juntos. Se você gosta de andar de bicicleta, organize um grupo para um passeio.

Ajude-os a encontrar outros jovens com os mesmos interesses. Veja que nenhum jovem fique sozinho na igreja. Busque fazer ligações entre eles.

2. Questões Sobre Sexo – A maioria dos adolescentes não é obcecada por sexo. Antes estão interessados em quem “gosta” de quem. Passam por paixões passageiras e não vão além disso. Mesmo que estejam pensando em pôr em prática seus impulsos, a maioria não o faz.

Nossa função não é desestimular a promiscuidade sexual ou mesmo falar muito a respeito dos desejos ardentes ou das tentações, mas incentivar amizades saudáveis entre os sexos. Os rapazes precisam aprender a não serem egoístas, a serem menos dominadores e a serem mais atenciosos. As meninas precisam aprender a como respeitar os rapazes, mais do que já o fazem (isto inclui a escolha da roupa) e a restringir suas difamações e fofocas destrutivas. Enfatize o que fazer nos relacionamentos, em vez do que não fazer.

3. Problemas com os Pais – Para alguns adolescentes o controle dos pais é uma grande preocupação. Alguns deles sentem que cada passo que dão é observado e condenado. Como pai, sei o que é controle excessivo. Estou convencido de que isso é prejudicial. Estou tentando aprender a como incentivar o bom comportamento e a como criar menos normas e regulamentos com meus filhos.

Permita que a liberdade reine em seu ministério. Quero dizer, dê liberdade para que eles sejam o que são – criativos, divertidos, sinceros na expressão de seus verdadeiros desejos a pessoas em quem podem confiar. Os adolescentes sob seus cuidados não necessitam de outro pai/mãe, ainda que pareçam que sim.

4. Pressões na Escola – O maior fator de estresse para os adolescentes é seu desempenho na escola. De acordo com a pesquisa do About.com,com mais de 6 mil adolescentes, “a pressão acadêmica” de longe é a maior fonte de estresse – mais de 4 em 10 adolescentes (43%) relataram isso.

Os relacionamentos com os colegas, ocasionalmente, leva-os a não dormirem à noite preocupados a respeito de que os amigos podem não mais gostar deles. A escola é um contínuo sugador emocional. Notas baixas levam a mais pressões do grupo e de sexo, a maior frustração com os pais e a mais ansiedade quanto a seu desempenho futuro. Isto é uma constante, pelo menos até o final do ano escolar.

Nossa função é compreender esses fatores estressantes e criar um espaço seguro para que sejam adolescentes. Isto se aplica especialmente aos líderes de jovens, que muitas vezes necessitam de maior liberdade para lidar com esse grupo. Uma mudança súbita no desempenho escolar é talvez o melhor sinal de que alguma coisa não está bem em sua vida – normalmente algo que está ocorrendo no lar.

5. Questões Quanto à Aparência – Os adolescentes passam por mudanças radicais em sua aparência. Embora internamente estejam mudando tão rapidamente quanto a sua “aparência”, isso os afeta mais porque é o que todos notam primeiro. Em nossos eventos, sempre fico surpreendido ao ver que os adolescentes estão constantemente alisando a camiseta ou tocando seus cabelos. É como uma convenção pessoal de arrumar-se.

Descobri que o melhor a fazer é consistentemente cumprimentá-los por sua aparência. Bem, esse tipo de comportamento não é incentivado no mundo profissional regular, mas os adolescentes necessitam desse estímulo. Seja específico – na verdade, quanto mais específico, melhor. Por exemplo, “Gostei do novo visual de seu cabelo” ou “Que tênis legal!” ou “Na sua idade eu tinha sardas – minha esposa diz que as ama”, ou “Eu o vi tocando violão, você toca muito bem”. Suas palavras têm muito peso para eles. Se você não disser isso, talvez ninguém mais o fará.

6. Ataques Verbais – Seu incentivo consistente e enfocado é vital por outros motivos também. O ar que os adolescentes respiram é saturado de palavras depreciativas, de apelidos e de palavras ferinas. Caso tenham preocupação quanto à aparência, podem encontrar muitos perseguidores que irão convencê-los nesse sentido. Já vi adolescentes zombarem de outro devido aos cabelos enrolados, e por aí vai.

Somos chamados a neutralizar esses ataques verbais com afirmações que falem de sua beleza interior. Pense em si mesmo como um Sherlock Holmes buscando evidência de que os adolescentes aos seus cuidados refletem a glória de Deus. Especificamente, busque e confirme neles os frutos do Espírito, conforme Gálatas 5:22: “amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio”.

7. Há Algo Especial em Mim? – Alguns adolescentes ainda não descobriram um talento ou certos esportes ou instrumento musical, ou são desajeitados e sem graça, ou talvez não se saiam tão bem quanto os colegas em determinadas matérias na escola. Todo adolescente possui talentos – alguns simplesmente têm maior facilidade para descobri-los. Nossa função é ir a fundo com os adolescentes para descobrir quais são eles.

Sempre lhes pergunto o que gostariam de ser quando concluírem os estudos, em grande parte porque isso revela o que eles são e o que desejam ser. Uso as respostas como portas de acesso para seu mundo secreto, onde Deus lentamente está revelando suas tendências. Quando um deles diz: “Não faço a menor idéia”, fico um pouco preocupado visto que a maioria dos adolescentes gosta de falar a respeito de seus planos futuros e já têm boa noção do que apreciam ou não. Para esses tipos, sigo perguntando: “O que você dizia que gostaria de ser quando era criança?” ou “Quais são algumas das profissões ou estilos de vida que você respeito e admira?” ou “O que outra pessoa disse a seu respeito e que o fez se sentir bem?”

8. Problemas com a Culpa e a Vergonha – Muitos adolescentes não sabem como lidar com as conseqüências de seus pecados e algumas vezes praticam formas prejudiciais de arrependimento com base nas obras. É crucial que aprendam que o único “pagamento” aceitável por seus pecados é o sacrifício de Jesus na cruz, e que é exatamente o local aonde devem levar sua culpa ou vergonha. Ajude os adolescentes a compreenderem a diferença entre esquecer e perdoar, e mostre-lhes como confiar em Cristo para obterem o livramento.

9. Falta de Energia – Alguns adolescentes simplesmente ficam cansados com freqüência. É claro, provavelmente você também tem um grande contingente de chimpanzés. Se ficar atento, verá que há mais de um indolente. Conheço alguns adolescentes que ainda têm de tirar uma soneca à tarde – de verdade!

Assim sendo, reconheça a necessidade que têm de descansar. Estruture seus eventos e as reuniões semanais regulares com vistas a incluir intervalos, momentos de tranqüilidade ou mesmo de silêncio. Os adolescentes necessitam de mais tempo para fazer a digestão (tanto o alimento que ingerem quanto a sua mensagem) e de mais repouso do que os mais velhos.

10. Problemas? Que Problemas? – Alguns adolescentes têm de lutar com um “desafio” estranho – não têm problemas tão gravem que mereçam a sua atenção. Muitos deles têm problemas que vêm e vão num piscar de olhos. Ignore 99% desses problemas – poupe seu tempo e energia para o que realmente é sério. Isso significa não ser tão pronto para tentar ajudá-los. Dê-lhes a oportunidade de vencerem suas pequenas questões sem qualquer intervenção adulta.

 

John Brandon é líder de adolescentes no Minnesota.

 

[Extraído de GROUP, 10 de setembro de 2004, pp. 13-14, 16.]

15/02/2007
h1

O Jovem Brasileiro

fevereiro 15, 2007

O JOVEM BRASILEIRO Educação, comportamento, estado civil…
Afinal, quem é o jovem brasileiro? O Brasil é considerado um país jovem. Hoje a taxa de natalidade é menor do que a de trinta anos atrás, contudo não se equipara ao índice de natalidade de países europeus, que é baixíssimo. Atualmente, a taxa de natalidade brasileira que era de 5,8 filhos por mulher caiu para 2,3. Mas esta estatística não denota ainda uma mudança drástica. Conclui-se daí que o Brasil ainda é um país jovem. Existem 31 milhões de jovens (entre 15 e 24 anos) no país.

Não é difícil depreender então que se o jovem vai bem, o país idem. Só que o inverso também é verdadeiro. O mês da juventude (22 de setembro é o Dia da Juventude), nos remete a seguinte questão: Quem é o jovem brasileiro? Uma pergunta de grande relevância quando se trata de caminhar rumo a qualidade de vida de nosso país. Para que você possa conhecer melhor a cara do jovem brasileiro abaixo seguem as informações de uma pesquisa que vai ajudar muito.

A pesquisa foi sistematizada pelo IBGE e interpretada pela Dra. Elza Berquó, presidente da Comissão Nacional da População e Desenvolvimento que apresentou os dados numa conferência promovida pela Fundação Mudes / Instituto da Juventude. Promova um debate em sua igreja e comente os resultados. A começar por você, muita coisa pode ser mudada.

POPULAÇÃO JOVEM

A última contagem universal do IBGE, de 1996, mostra que tínhamos, no país, um total de 31 milhões entre 15 e 24 anos. É importante dizer que esta faixa etária ainda apresenta um crescimento positivo. Por que? Porque a geração que hoje tem entre 15 e 19 anos, ou entre 20 e 24 anos, é a geração de 1976 a 1981, ou 1972 a 1976, e , neste período, a fecundidade no Brasil não mostrava sinais tão evidente de declínio.

1996 (15 a 24 anos) …………………………………………… 31 milhões

O segmento de 15 a 24 anos nasceu quando a fecundidade brasileira começava o seu maior declínio; por isso ainda é numerosa e só vai começar a diminuir a partir do ano 2006, quando vamos ter faixas negativas de crescimento desta faixa etária, como já acontece, hoje, com o grupo de 0 a 14 anos.

Pela primeira vez, no Brasil, os dados desta faixa etária mostram que tivemos uma diminuição em termos absolutos. Entre 1996 e 2006 deixaremos de ter mais de 1 milhão de jovens nessa faixa etária de 15 a 19 anos.

ESTADO CIVIL:

Moças casadas (15 a 19 anos) …………………………………………………….. 16 %

Rapazes casados (15 a 19 anos) …………………………………………………………….. 3 %

Entre as moças de 15 a 19 anos, 16% já estão casadas; e 3% de rapazes na mesma faixa etária estão casados. Apenas 50 % dessas jovens mulheres vivem uniões consensuais, o mesmo acontecendo em 64% das uniões desses rapazes; ou seja, esses casamentos são um recurso para ter um parceiro estável e para satisfazer um impulso sexual sem enfrentar a legislação.A tentativa de constituir a própria família é menor quanto maior é o nível de escolaridade do jovem.

Os que ingressam na universidade e terminam o colegial ou cursos semelhantes casam mais tarde. Entre os jovens que pertencem às camadas mais pobres, na faixa dos jovens sem instrução – o que constituem uma fração elevada entre nós – a proporção de mulheres casadas passa a ser de 24%. Os que ingressam na universidade, ou fazem algum curso, casam mais tarde. Há uma relação direta entre o início precoce de uma relação conjugal e a escolaridade. Entre os jovens que fazem curso superior, a taxa cai para 4%, se estiver num curso colegial, para 8%; portanto, há uma relação direta entre o início precoce de uma relação conjugal e a escolaridade. 45% dos rapazes entre 15 a 19 anos chefiam uma família e possuem pelo menos um filho. Essa proporção, entre 20 e 24 anos, salta para 65%.

Viúvos, divorciados ou separados também existem, ainda que em menor proporção. A grande maioria – (65% da população solteira entre 15 a 24 anos) mora com os pais, ou com um dos pais, sendo que 16% estão entre aqueles casamentos que se desfizeram ou em que um dos cônjuges ficou viúvo. Há um percentual que mora só. Entre os homens é, praticamente, de 3% e de 2% entre as mulheres.

Temos também os agregados que moram com outros parentes. Devem ser os jovens que saem da sua cidade para estudar, para trabalhar, ou aqueles que não se dão bem com a família e vão morar com outros parentes. Eles chegam a um total de 12%. – 65% da população solteira mora com os pais – 3% dos rapazes mora só – 2% das moças mora só – 12% moram com outros parentes.

DROGAS

Estudos realizados em 93, sobre o uso de droga psicotrópica entre estudantes de 1º e 2º graus das redes estaduais de educação em 10 capitais brasileiras, indicam que 80% dos jovens declararam já ter consumido bebidas alcoólicas em nível acima do socialmente aceito. 28% seriam fumantes, 15% experimentaram solventes, 6% ansiolítico e 5% maconha. A análise desses números, alerta para o aumento do uso da cocaína e da maconha, que passa de uma prevalência de 3% em 87, para 5% em 93.

EDUCAÇÃO

Comparando dados de 1981 a 1995, as taxas de alfabetização de jovens, entre 15 e 24 anos, melhoraram, passando de 88% para 93% restando, ainda, 7% de analfabetos neste grupo etário, o que corresponde a 2,2 milhões de jovens.

MERCADO DE TRABALHO A PEA (População Economicamente Ativa)

de 1995 mostrou que 57% da população, de 15 a 19 anos, estava trabalhando, o que representa uma queda em relação aos 60% de 1992. Esta situação configura uma severa exclusão de jovens no mercado de trabalho, com uma consequente diminuição da capacidade de renda domiciliar. O aumento da taxa de escolarização, no mesmo período, sugere que a expansão do sistema de educação constitui-se numa opção importante para muitos dos jovens que ficam à margem do mercado de trabalho. – Em 1995, 57% ingressaram no mercado de trabalho (15 a 19 anos) – Em 1992 o total de jovens trabalhadores era de 60%.

SEXUALIDADE / AIDS

Com relação à AIDS, é importante dizer que, segundo dados de 1996, entre jovens contaminados, 1/3 estava na faixa de 15 a 17, e 2/3 na faixa de 18 a 19 anos. A principal causa da contaminação para os homens, como é sabido, é o uso de drogas injetáveis; para as mulheres a relação heterossexual. Uma população cada vez mais jovem está sendo contaminada com o vírus HIV. No Brasil, desde o início da epidemia (1980), 13% dos casos foram notificados em pessoas com menos de 25. Outros 21% estão na faixa dos 25 aos 29 anos, o que indica que eles se contaminaram, muito possivelmente, antes de 25 anos de idade. Segundo pesquisa feita pela Jumoc em 1990, cerca de 30% dos jovens evangélicos já tiveram uma relação sexual antes do casamento.

Neste índice vale ressaltar que a cada ano temos um crescimento na faixa de 8% ao ano, o que carateriza uma falta de orientação clara do plano de Deus para a vida dos jovens evangélicos.

O JOVEM E A FÉ

De cada 100 entrevistados, 52 gostariam de falar pessoalmente com Deus. A fé divina é praticamente unânime: 98% dos entrevistados disseram acreditar em Deus. Especializada em levantamento de tendências de opinião entre crianças e adolescentes, a consultoria CPM realizou 1.495 entrevistas em seis cidades: São Paulo, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Salvador.

O JOVEM ESTÁ DE BEM COM A VIDA?

Um estudo na Universidade Federal do Rio de Janeiro mostra que “6% dos brasileiros sofrem de depressão”, notícia do Jornal do Comércio.Conforme o professor de psiquiatria Antonio Nardi, “15% dos suicídios registrados no País são causados por depressão grave”. Segundo O Estado de São Paulo, ele disse: “Quando há um real prejuíxo das relações familiares, sociais ou de trabalho, a idéia de morte é um dos sintomas principais”. O risco de suicídio de jovens entre 15 e 17 anos é especialmente grande.

Alguns sintomas de depressão são “isolamento social, ausência de atividades esportivas, perda de interesse, queda repentina no rendimento escolar, necessidade constante de chamar a atenção e sentimento de culpa”. Nardi acrescenta: “A depressão é uma ausência de perspectiva, com a qual se perde a capacidade de imaginar o futuro”. Giana Ramos Colaboração: Fundação MUDES (Fundação Movimento Universitário de Desenvolvimento Econômico e Social), Instituto Da Juventude, Rev. Agrício do Vale e JUMOC.