Archive for the ‘Editorial’ Category

h1

PortalJA no Facebook

maio 19, 2012

Você já curtiu a página do PortalJA no facebook?


h1

Seliga! Caia Na real

novembro 19, 2011

O Se Liga  é o mais novo projeto do PortalJA cujo objetivo é o compartilhamento de mensagens  curtas.

É uma forma atual e criativa de dizer  as pessoas “caiam na real”, conectem-se em Deus.

É um espaço  SEU que criamos  para dividir reflexões, experiências, fatos engraçados, e qualquer coisa  mais que faça as pessoas se ligarem a Deus.

Fique à vontade! Você faz parte deste site!

Ir para o Site

p.s.: Este é um site que será construído por você. Portanto, envie seu video.

h1

XVIII Campori de Desbravadores da AC

agosto 20, 2011

Você que é desbravador não pode perder! Celebração dos 50 anos de Camporis no Brasil.

Para maiores informações: lady.rodrigues@adventistas.org.br

h1

Ser cético e ser cristão

setembro 7, 2010

A idéia de uma verdade objetiva e a contradição de sua existência são posições que dividem opiniões dos filósofos e pensadores desde a antiguidade. Os mais conhecidos, como Sócrates, Schopenhauer, Voitaire, Xenófanes e Dudan tratam essa busca constante pelo conhecimento e certezas como ‘ceticismo’.

Segundo eles, a certeza sobre as coisas não existe, não há verdade absoluta de nada nessa vida, o que existe – ou deveria existir- é a busca pelo conhecimento. Para Sócrates, só é possível aprender as coisas quando chegamos a um estado de consciência que os nossos conceitos não são fundamentais.

Ao dialogar com Diógenes questionando sobre “o que é o amor?”, por exemplo, o filósofo usa a retórica para levar o amigo a se contradizer sobre o seu conceito formulado sobre o sentimento. Surgem então dois conceitos: o relativismo e o pluralismo critico. Adotando a relatividade, aceitamos que podemos afirmar tudo, ou quase tudo, o que, por conseguinte, nada. Tudo seria verdadeiro, ou nada o seria.

A verdade é, portanto, destruída de significado. Para os pluralistas, há um concurso de teorias. Analisando sobre a discussão racional, cada uma delas cairia em um julgamento de verdade, e as que diferissem dele, seriam postas de lado. Na religião acontece o mesmo.

Embora cristãos, a humanidade ainda nos é inerente. E como homens, muitas vezes, dentro da igreja, acabamos caindo nas garras do ceticismo. Não que haja problemas na busca de verdades, pois a sabedoria é sempre benéfica, mas o erro está em deixar se levar pelo conceito de que não há verdade absoluta quando estamos diante do dono do universo.

Ao chegar a palavra, finda-se o ceticismo, ao descobrir Cristo, encontra-se a verdade, e ao seguir a cruz, morre o homem e nasce um cristão.

h1

Feliz 2010 !

dezembro 31, 2009

Final de ano chegando. A família toda se reunindo. Todos se preparando para a “viagem do ano”. Iríamos passar o ano novo em uma cidadezinha praiana. Até que o inesperado ocorre…

Meu avô teve que ser internado no hospital.  Estava sentindo cansaço. Minha avó já  estava falando que não viajaria mais.  Os planos do ano todo por “água abaixo”.

Ainda bem que o vovô só  passou três dias no hospital. Ele deixou de tomar um remédio durante três dias e, acabou descompensando a insuficiência cardíaca. Mesmo assim, não iríamos viajar mais.

Mas, é assim mesmo a vida… Me lembrei de Tiago 4:13 e 14:

“Atendei, agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã, iremos para a cidade tal, e lá passaremos um ano, e negociaremos, e teremos lucros. Vós não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois, apenas, como neblina que aparece por instante e logo se dissipa.”

Somos apenas uma neblina…

Agora, ao invés de termos toda a família unida, uma parte está na Paraíba, outra em Pernambuco e outra aqui, no Piauí.

Mesmo assim, ESTAMOS FELIZES. Sabe por quê?

Porque embora nossos planos não tenha tido sucesso, com certeza o Senhor tem dirigido nossos passos.

“O coração do homem traça o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos.” (Provérbios 16:9)

Estamos felizes pela saúde que o Senhor nos dá, a felicidade, a vida e a família, que embora não reunida nesta época, é um presentão de Deus.

Talvez neste ano que passou, você não tenha atingido todas as metas, sonhos e desejos. Gostaria que soubesse que o Senhor dirige nossos passos. Basta apenas que o permitamos.

Desejo a você um ótimo 2010! Que possamos compreender cada vez mais que somos apenas NEBLINA. E que deixemos que Deus controle cada detalhe das nossas vidas. Dia após dia. Até que, logo, logo. Não lá longe. Mas bem aqui pertinho. Possamos chegar ao Céu.

Porque Deus é quem dirige nossos passos.

Um abraço,

Felipe Scipião

h1

Fim do Mundo: 2012?

novembro 14, 2009

Esta história de filmes de ficção científica que passam a ser tratados como se fossem realidade, já passou dos limites. A gente nem bem se recuperou da ressaca que foi ficar respondendo a milhares de pessoas que os próprios criadores do filme “O Código da Vincci” o reconheciam como ficção, e já estamos novamente às voltas com pessoas desesperadas, telefonando até mesmo para a NASA, para saber se o mundo vai terminar em 21 de Dezembro de 2012.

Mais uma vez estamos aceitando ser tratados por Hollywood como “consumidores” e estamos digerindo com nosso cérebro mais uma de suas obras nefastas.

O filme “2012”, que não tem nenhuma base científica, e nem foi exibido ainda, já está alcançando seu “objetivo”. E, qual é mesmo o seu objetivo? Bem, ele já movimenta milhões de dólares em cima de um dos temas mais assustadores para a raça humana: A data do FIM DO MUNDO. Por causa dele, já são centenas de documentários de TV, camisetas, acessórios, artigos em revistas e jornais, discussões religiosas e filosóficas. Tudo girando em torno de uma filosofia tão conturbada e misturada, que até mesmo os Maias, se estivessem vivos hoje, duvidariam de sua veracidade.

Trata-se de uma mistura perigosa de profecias Maias, previsões de falsos profetas, filosofias Egípcias, e, para apimentar ainda mais a receita, uma pitada de distorções da Bíblia, a gosto de quem escreveu o reteiro. Logicamente que o “objetivo” não é esclarecer o assunto, mas fazer dinheiro.

Como se não bastasse tanta ignorância do assunto, por parte do povo em geral, no bojo de tanta “abobrinha filosofal”, aparece também outro tipo de ignorantes: os que pensam que estudaram o assunto e começam a emitir opiniões próprias. Um belo exemplo é o articulista André Petry, que teve seu enorme (e tendencioso) artigo publicado como capa de numa das revistas de maior circulação no pais, no início de Novembro.

Petry, que é um polido ridicularizador do tema do “ Fim do Mundo”, mostra-se avesso à religiosidade e apoia-se em sua pesquisa para levar seus leitores a, como ele, ridicularizarem, não o filme em si, mas quem leva o assunto do “Fim do Mundo” a sério.

Só que Petry se contradiz. Ele escorrega nas palavras.

É lógico que, para se acreditar no Fim, é preciso que se acredite em Deus, ou em algum tipo de Deus. OU seja, é preciso ser religioso. Ser, de certa forma, CRENTE, o que não é, nem de longe, o caso de Petry.

Descrente assumido, ao tentar explicar o porquê de as pessoas ainda procurarem informações sobre o fim do mundo em pleno século 21, Petry se perde, se contradiz ao afirmar coisas como: “Uma das explicações está no fato de que o nosso cérebro é uma máquina programada para extrair sentido do mundo. Assim, somos levados a atribuir ordem e significado às coisas, mesmo onde tudo é casual e fortuito.”[1]

Em primeiro lugar, se o cérebro foi programado, deve haver um programador, não é mesmo? E, quem seria este “programador”? Deus? O acaso? O caos?

Em segundo, se ele acredita mesmo no acaso, como, num mundo originado do caos, um cérebro, que teria surgido por acaso, poderia ser programado pelo acaso para extrair sentido do que, segundo ele mesmo, não faz sentido?

Desculpem-me! Mas acabei de parar pra pensar, e estou notando que meu artigo pode estar estar parecendo ofensivo demais! Talvez eu esteja fazendo exatamente como o articulista a quem critiquei e esteja caindo no mesmo erro de criticar os outros e não contribuir com nada útil. Mais uma vez, me desculpe! Antes de terminar, deixe com que eu me redima, escrevendo alguma coisa que realmente contribua para o seu conhecimento do assunto.

Vamos por outra linha de raciocínio! Vamos pensar: E se Deus existir mesmo?

Se Deus existe:

1. Então tudo teve um PRINCÍPIO.
2. Nada veio do ACASO, mas do Planejamento de Deus.
3. Então Petry, a quem eu só critiquei até agora, está certo ao afirmar que “o nosso cérebro é uma máquina programada para extrair sentido do mundo”. Sim, porque num mundo planejado por Deus, o cérebro perfeito, criado por Ele, sempre buscará a perfeição, e nunca se acostumará ao CAOS que hoje impera no mundo!
4. Se Deus existe, o mundo foi criado PERFEITO e precisa voltar à perfeição.
5. Se Deus existe, então Jesus veio a este mundo, morreu por quem o aceita. Ele ressuscitou, foi levado ao Céu e voltará para buscar aqueles que acreditam nele.
6. Se Jesus voltará para buscar os Seus, então não existe o FIM DO MUNDO, mas O INÍCIO DE UM NOVO MUNDO, depende apenas “de que lado você está”.
7. Enfim, O FIM DO MUNDO só existe para quem não acredita que Deus existe.

Há uns meses li na Bíblia um texto que me chamou muito a atenção. Está em II Pedro 3: 2 em diante:

“tendo em conta, antes de tudo, que nos últimos dias, virão escarnecedores com seus escárnios… e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Por que, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio… Há, todavia, uma coisa, amados, que não deveis esquecer: que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia. Não retarda o Senhor a Sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrario, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, Senão que todos cheguem ao arrepenimento.”

Como eu tenho certeza de que eu não preciso dizer mais nada, vou terminar deixando apenas com que a Bíblia termine de dizer o que falta. Ela vai apenas confirmar que, para quem está com Deus, não existe O FIM DO MUNDO, mas o NASCER DE UM NOVO MUNDO: “Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova Terra, nos quais habita justiça.” II Pedro 3: 13

Pr.Fernando Iglesias
http://www.estaescrito.com.br
(Retirado do site “O Fim do Mundo“)

h1

Enem 2009 – Entrevista

julho 8, 2009

Enem-2009 Entrevista com Prof. Reynaldo Fernandes (INEP)

h1

Não Acredita em Deus

julho 1, 2009

Não acredita em Deus

Preciso de sua resposta para ajudar uma amiga que está com duvidas a respeito de Deus. Abaixo segue a mensagem que recebi dela. Me diga como posso ajuda-la?

“Eu quis te mandar um e-mail hoje para te falar uma coisa muito importante e talvez você possa me ajudar, aliás, creio que você seja a pessoa mais indicada para isso. O fato é que eu estou na dúvida sobre a existência de Deus, é verdade não sei mais se eu acredito nisso. Fui em várias igrejas na vida e não acredito em religião, mas, em DEUS eu acreditava. Depois de alguns acontecimentos comigo, em que eu fui super legal com as pessoas e só recebi traição e mentiras eu não sei se acredito neste cara, sabe por quê?

Porque as pessoas que eu vejo enganar, mentir, trair e zoar com os outros sempre estão numa boa, os homens que traem enganam e mentem sempre estão cada vez mais cheio de mulheres e as mulheres que mentem traem , se prostituem e coisas do tipo sempre estão numa ótima, cheio de amigos e namorados e felizes.

Quando vejo estas situações é que me vem a dúvida, entende? Eu estou numa dúvida cruel e partir de hoje vou decidir se acredito em Deus ou não, porque se as pessoas que fazem o mal recebem o bem e estão felizes mesmo brincando com as pessoas , eu vou começar a fazer a mesma coisa. Não vou sair por aí enganando todo mundo, claro que não, isso não combina comigo, mas, deixarei de acreditar neste Deus que ao meu ver é injusto.

O que você tem a dizer sobre isso? Preciso que você que é religiosa me explique isso.”

Na verdade, eu tenho o meu próprio entendimento sobre este assunto, mas não sei expor de forma que ela possa entender.

MINHA RESPOSTA PARA VOCÊ E SUA AMIGA:

Me parece que a garota que escreveu para você está mais carente emocionalmente do que em dúvida. Ela está se sentindo para baixo e pedindo socorro. O melhor é tentar conversar com ela por telefone, ou até mesmo fazer uma visita. É carinho e interesse que ela quer.

Quanto à questão de Deus ela tem que entender algumas coisas:

1. Será que aqueles que fazem tudo errado estão felizes mesmo? Nem tudo o que parece ser é assim mesmo.

2. Ser feliz, é ter um sentimento, ou ter alguma coisa? Ela coloca sempre que os outros tem isso ou aquilo. Felicidade não é ter as coisas, mas ser alguma coisa. O que a gente mais vê por ai são pessoas pobres fiéis e felizes, e ricos querendo se livrar um pouco do peso da fama ou da riqueza para ser gente “normal”.

3. Será que para nos fazer felizes Deus tem que dar o que queremos, ou Ele sabe o que é melhor para nós? Como é que uma mãe age com um filho?

4. Esta infelicidade que ela está sentindo vem de Deus, ou é um resultado da maneira como ela tem se comportado e encarado a vida? Digo isso, porque quando as pessoas são muito pessimistas, negativas ou azedas, acabam atraindo isso para si também. Aquilo que alguém dá para a vida é o que a vida vai lhe devolver.

5. Desacreditar em Deus e viver sem Ele vai trazer que benefícios para ela? Será que ao tirar Deus da vida, automaticamente a felicidade vai aparecer. Pelo que pude notar ela já está desacreditando em Deus, e mesmo assim não se sente feliz.

Dê carinho e atenção a ela, pois é a maior necessidade. Além disso, continue orando por ela.

Maranata!

Erton Köhler

h1

Homenagem às mães

maio 10, 2009

apiormae

Eu tive a pior mãe do mundo. Enquanto outras crianças podiam comer doces para o café da manhã, eu precisava comer mingau, frutas e pão. Meus amiguinhos tinham Coca Cola e balas no almoço, mas eu tinha de comer arroz com feijão, legumes e saladas. Como você pode adivinhar, meu jantar também era diferente daquele com o qual os outros meninos se deliciavam.

Mas pelo menos, eu não sofria só. Minha irmã e meus dois irmãos tinham a mesma mãe tirana que eu. Mamãe insistia em saber exatamente onde estávamos em qualquer hora. Podia se pensar que éramos alguma espécie de criminosos. Ela fazia questão de saber com quem andávamos e o que fazíamos. E insistia que, se disséssemos que íamos sair por uma hora, tínhamos de voltar dentro de uma hora ou antes. Não podia ser uma hora e mais uns minutinhos.

Quase tenho vergonha de contá-lo, mas ela até batia em nós! E não o fazia apenas uma vez, mas todas as vezes que saíamos da linha. Você pode imaginar alguém chegar ao ponto de dar palmadas numa criança, somente porque ela desobedeceu ? Hoje ela seria presa, com certeza! Seria objeto de reportagens na televisão. Agora você está começando a entender quão cruel ela era realmente.

E ainda não contei o pior. Todas as noites, às nove horas, já devíamos estar na cama. E no dia seguinte, estar de pé, bem cedo. Mesmo nas férias, não podíamos dormir até o meio dia, como faziam nossos amigos. Ah não! Enquanto eles descansavam à vontade no conforto de sua cama, nós éramos forçados a levantar, fazer o culto e trabalhar lavando louça, forrando cama, aprendendo a cozinhar e outras coisas ruins. Desconfiávamos que ela ficava acordada de noite, procurando pensar em outras coisas piores para exigir de nós. Mamãe sempre insistia para que falássemos a verdade, toda a verdade e nada de mentiras, mesmo se isso nos custasse a vida, como quase acontecia…

E ao chegarmos à adolescência, mamãe já estava com mais prática, e nossa vida se tornou quase insuportável. Nada de um namorado chegar à frente da casa e chamar-nos com uma buzinada. Ficávamos até envergonhados com a sua insistência de que os namorados e amigos tinham de vir à porta nos buscar. Ah, quase me esqueci de contar que, enquanto outros estavam namorando na idade amadurecida de doze ou treze anos, minha mãe quadrada não me deixou namorar antes dos quinze ou dezesseis. Quinze, isto é, quando se tratava de uma festa na igreja ou na escola o que acontecia duas ou três vezes por ano. E por falar em igreja, éramos forçados a frequentá-la, sem falar na Lição da Escola Sabatina e na Bíblia, que éramos obrigados a estudar…

Minha mãe foi realmente um fracasso. Nenhum de seus filhos jamais foi preso pela polícia ou divorciado; nenhum deles costuma bater em sua esposa. Cada um dos filhos homens prestou seu período de serviço no exército e são profissionais conceituados. E a quem poderemos responsabilizar por sairmos desse jeito? Exatamente – a minha mãe.

Pense só nas coisas que perdemos. Nunca tivemos a experiência de marchar numa demonstração contra o governo ou numa greve; jamais quebramos os móveis da nossa universidade, nem incendiamos automóveis, além de outras mil coisas que alguns de nossos colegas faziam.

Mamãe nos forçou a nos tornarmos adultos instruídos, honestos e tementes a Deus.

Agora, com a própria experiência como base, estou procurando criar meus próprios filhos. Eu não me preocupo quando eles acusam de ser cruel. Até fico contente com esta opinião. Porque, como você percebeu, dou graças a Deus que Ele me deu a “PIOR” mãe do mundo.

Fonte: USB
parabensmaes

h1

Feliz 2009!

dezembro 31, 2008