Posts Tagged ‘jesus’

h1

Gólgota

junho 11, 2009

golgota

Ele estava diante do seu povo, mas definitivamente não era como das outras vezes. As mesmas pessoas que tinham feito uma festa de recepção nesta mesma semana, quando ele chegara à cidade, agora estavam pedindo que o matassem. Homens, mulheres, crianças, gritavam! Pediam que aquele homem, que não tinha culpa alguma, fosse morto, morto como um ladrão ou assassino da pior espécie. Diferentemente dos homens que por Ele foram curados e que agora pediam sua morte, Aquele homem não parecia revoltado ou aflito, Ele continuava manso como sempre fora…! Por quê? Ele não era Deus? Pensavam os discípulos. Ele tinha feito tantos milagres, havia feito cegos enxergarem, tinha parado aquela forte tempestade, fez Pedro andar sobre as águas, multiplicara pães para que os seus seguidores não passassem fome, paralíticos agora podiam andar por que ele os havia curado! E agora? Aonde estavam essas pessoas? Agora era Ele que precisava delas! Será que haviam esquecido de Jesus?

No entanto, Jesus não esqueceu de nenhuma delas! Era exatamente por se importar com cada uma daquelas pessoas que Ele estava ali, pronto para ser pregado numa cruz, e morrer como um miserável, quando na verdade, era um Rei! Diferentemente de outras coroações, a de Jesus não foi apreciada e reverenciada com palmas. Eles pediam que aquele homem deixasse de existir, por que eles se achavam auto-suficientes para serem os deuses de suas próprias vidas. Eles não queriam um Pai, um amigo, uma pessoa livre de pecado e que só fazia o bem. Eles preferiam Barrabás, o criminoso, o retrato da maldade…

Lá estava Ele, os cravos agora perfuravam suas mãos, rasgavam seu corpo para sustentá-lo à cruz. O seu corpo mostrava a dor que sofria, mas o seu semblante revelava um outro sentimento; era difícil de entender. Já não se ouvia muitas vozes, as pessoas estavam indo embora, viravam as costas para aquele que tanto fizera por cada um deles! Mas, mesmo ali, pregado na cruz, como se fosse um bandido, Ele mostrava através do seu rosto que era o Senhor Jesus. Daquelas outras duas cruzes, onde pessoas que mereciam estar ali, sofriam muito, aparece um homem, que independente de tudo que fizera de errado, acreditava que Aquele que estava ao seu lado era um homem bom, e acreditava que este Homem poderia salvá-lo.

Ainda hoje a cena se repete. As vezes Jesus tem operado verdadeiros milagres em nossas vidas, e do mesmo jeito, somos ingratos e O pregamos novamente na cruz. Outras vezes, somos pecadores imperdoáveis, vivemos uma vida toda errada, fomos pregados na cruz, mas mesmo assim, o Mestre está ao nosso lado e temos a oportunidade de pedir perdão e alcançar a sua misericórdia.  E agora Jesus olha para o alto, a última gota de sangue escorre pelo seu rosto e Ele diz: “Pai, perdoa-os, eles não sabem o que fazem”. Por quê?! Ele podia ter pedido para se livrar daquele fardo, não podia? Sim, Ele podia! Mas acontece que aquela gota que escorreu pelo rosto do Mestre não era mais uma gota de sangue, e sim, uma gota de amor…

Contribuição: Rebbeca Ricarte

h1

Jesus…

março 26, 2009

Jesus

“A vida de Cristo estava repleta de palavras e atos de benevolência, simpatia e amor. Ele estava sempre atento para escutar e aliviar as misérias daqueles que a Ele vinham. Em seus corpos restaurados à saúde, multidões levavam a prova de Seu poder divino. Contudo, depois que a obra fora cumprida, muitos se envergonhavam do humilde mas poderoso Ensinador. Visto que os príncipes não criam em Jesus, o povo não estava disposto a aceitá-Lo. Ele foi um homem de dores e familiarizado com trabalhos. Não podiam suportar o serem governados por Sua vida sóbria, abnegada. Desejavam desfrutar da honra que o mundo confere. Todavia, muitos seguiam o Filho de Deus e escutavam as Suas instruções, banqueteando-se com as palavras que tão graciosamente caíam de Seus lábios. Suas palavras eram repletas de significação, e contudo, tão claras que os mais ignorantes as poderiam compreender.” História da Redenção, pág. 204

Admiro muito a abnegação de Jesus… Deus do Universo se tornar Servo de pequenos seres humanos…

Abraço,

Felipe

h1

A Verdadeira Religião

novembro 26, 2008

verdadeirareligiao

“A verdadeira religião leva o homem à harmonia com as leis de Deus – físicas, mentais e morais. Ensina o domínio de si mesmo, a serenidade, a temperança. A religião enobrece o espírito, apura o gosto e santifica o juízo. Faz a alma participante da pureza celestial. A fé no amor de Deus e em Sua providência que todas as coisas dirige, alivia o fardo da ansiedade e cuidados. Enche o coração de alegria e contentamento, seja na mais elevada condição ou na mais humilde. A religião tende, diretamente, a promover a saúde, a prolongar a vida, e a aumentar a alegria que experimentamos em todas as suas bênçãos. Abre à alma uma fonte de felicidade que nunca se estanca. Oxalá todos os que não escolheram a Cristo pudessem compenetrar-se de que Ele tem algo imensamente melhor para lhes oferecer do que aquilo que se acham eles a procurar para si. O homem se encontra a fazer o maior dano e injustiça à sua própria alma quando pensa e age contrariamente à vontade de Deus. Nenhuma verdadeira alegria pode ser encontrada no caminho proibido por Aquele que conhece o que é melhor, e que planeja o bem de Suas criaturas. A senda da transgressão conduz à miséria e à destruição; mas os caminhos da sabedoria “são caminhos de delícias, e todas as suas veredas paz”. Prov. 3:17. “

 Patriarcas e Profetas, pág. 600

h1

Como vai a sua influência?

outubro 31, 2008

Poucos há que se compenetram de quão grande alcance é a influência de suas palavras e atos. Quantas vezes os erros dos pais produzem os mais desastrosos efeitos em seus filhos, e descendentes destes, muito tempo depois que os próprios autores foram postos nos túmulos! Cada um exerce uma influência sobre os outros, e será responsável pelo resultado dessa influência. Palavras e ações têm um poder eloqüente, e a longa vida do além mostrará o efeito de nossa vida aqui. A impressão produzida por nossas palavras e ações reagirá certamente sobre nós, trazendo bênção ou maldição. Tal pensamento confere uma terrível solenidade à vida, e deve atrair-nos a Deus, com humilde oração, a fim de que Ele nos guie pela Sua sabedoria. 

    Aqueles que ocupam as mais elevadas posições podem transviar outros. Os mais sábios erram; os mais fortes podem vacilar e tropeçar. Há necessidade de que constantemente se derrame em nosso caminho a luz do alto. Nossa única segurança está em confiar nosso caminho implicitamente Àquele que disse: “Segue-Me.” 

Patriarcas e Profetas, pág. 556

h1

“Homens de Pouca Fé”

outubro 27, 2008

Por Tatyanne de Morais

Desde o início do ano tenho tentando ler toda a Bíblia. A cada dia encontro vários versículos e capítulos que me chamam a atenção. Nos últimos dias, tenho analisado as histórias dos discípulos, narradas em Mateus, Marcos e Lucas. Confesso que às vezes a falta de fé dos apóstolos me contraria. Na minha infância, lembro de uma coleção de livros que contava diversas situações bíblicas e uma das minhas preferidas se encontra em Mateus 8, quando Jesus acalma a tempestade.

Logo após estar com a multidão, Cristo resolveu ir ao outro lado do mar, a fim de descansar. Assim que dormiu, as ondas, provocadas por uma grande tempestade, inundaram o barco em que Ele estava. Temerosos, os apóstolos clamaram por Jesus, que disse: “Por que vocês estão com medo, homens de pouca fé?”.

Refletindo nesse caso, penso se nós mesmos não temos as mesmas atitudes dos discípulos. Fomos chamados para seguir a Jesus, do mesmo modo que eles também foram. Hoje, do mesmo modo também não demonstramos segurança e confiança nEle. Os apóstolos foram instruídos a ir e fazer discípulos em todas as nações. O que também nos foi orientado. Afinal, somos cristãos, e esse é o nosso foco, levar a mensagem da Segunda Vinda de Cristo.

Os discípulos tiveram a oportunidade de acompanhar Jesus, e enquanto Ele esteve aqui, não demonstraram o real amor por Cristo. Contudo, naquela época, também não era fácil, eles eram repreendidos pelos povos. Hoje, não temos como conviver com Jesus lado a lado na terra, mas ainda possuímos a liberdade para amá-LO e anunciar ao mundo que Ele não vai voltar, mas já está voltando. Sendo assim, que possamos ter orgulho da mensagem da Cruz. Do amor incondicional que Ele tem por nós. Contudo, lembrem-se: fé sem obras é morta. Logo, é necessário agirmos como corretos seguidores de Cristo, para anunciar e apressar a Sua Volta.

h1

Vivo por Jesus

abril 14, 2008

Neste último final de semana, na Convenção de Liderança Jovem, tenho certeza que não só eu, mas todos os presentes tiveram a oportunidade de refletir um pouco mais na “vida por Jesus”. Em todo momento de louvor, cantamos a música oficial do CD jovem deste ano: Vivo por Jesus. Mas esta canção, pelo menos para mim, teve maior impacto após um relato feito pelo pastor Odaílson Fonseca, líder de Jovens da União Nordeste Brasileira. Ele apresentou o vídeo da Andressa Barragana.

Recordo que no ano passado assisti na igreja, um outro vídeo sobre esta garota. Ele contava a vida missionária que ela levava. Lembro que fiquei impressionada como uma criança conseguiu montar um pequeno grupo enorme de outras crianças. Ela ensinava a cantar, contava histórias e orava. Uma verdadeira serva de Deus.

Neste segundo vídeo, mais recente, mostrava que Andressa não havia parado. Ela continuava a sua vida de dedicação e compromisso com Cristo. As imagens relatavam à rotina da pequena jovem, que a cada dia tinha uma atividade diferente, mas sempre voltada para a causa de Jesus. Um dia era a gravação do programa de rádio para crianças, outro era uma visita ao asilo, pequeno grupo, estudos bíblicos, oficinas de artes e assim por diante. Uma vida de serviço e amor ao próximo.

Se eu não me engano, o finalzinho do vídeo tinha cenas da Andressa falando sobre a volta de Jesus. E finalizava com a frase de que ela não pôde esperar para contemplar o momento citado. No dia 22 de março deste ano, Andressa dormiu no Senhor. Era um sábado pela manhã e ela estava indo pregar em uma igreja. No trágico acidente automobilístico, ela e mais três familiares faleceram. O motorista sobreviveu, ele era o pai dela e único da família que ainda não havia aceitado a Jesus.

Do mesmo jeito que me perguntei, você também deve estar questionando o porquê Deus permite essas situações com uma pessoa tão temente a Ele e de apenas 14 anos. A explicação veio logo após, o pai da Andressa está próximo ao batismo. As crianças da sua idade a têm como inspiração e agora também possuem uma vida de serviço. Não só elas, mas Andressa deixou um testemunho comovente e agora pessoas estão abreviando a volta de Jesus pelo exemplo de vida por Jesus. Sei que no Céu, vamos compreender inúmeras razões pela decisão de Cristo. Alguns vão ter a felicidade de reencontrá-la e outros de conhêce-la.

Temos plena consciência que o tempo não nos espera. Não aguarda de maneira nenhuma que estejamos dispostos a buscar Jesus. Por isto a importância de sempre estar em comunhão com Ele. Sendo assim, VIVA POR JESUS. Tenha uma vida de poder. Uma vida eterna.

h1

Antes que o galo cante

março 24, 2008

Jesus“Replicou-lhe Jesus: Em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, tu me negarás três vezes. Disse-lhe Pedro: Ainda que venhas a ser um tropeço para todos, nunca o serás para mim. Disse-lhe Pedro: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de nenhum modo te negarei. E todos os discípulos disseram o mesmo.

Logo depois, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: Verdadeiramente, és também um deles, porque o teu modo de falar o denuncia. Então, começou ele a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem! E imediatamente cantou o galo. Então, Pedro se lembrou da palavra que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, tu me negarás três vezes. E, saindo dali, chorou amargamente”.

Mateus 26:33-35,73-75

Pedro não conseguia acreditar, mas ele negou a Jesus três vezes. Acredito que naquele momento em que o medo falou mais alto do que a sua fé, ele devia ficar frustrado consigo mesmo ao lembrar do que Jesus dissera. O discípulo devia ficar pensando como estava ele negando a Cristo? Aquele Homem que ele seguiu, que ele amava e acreditava ser o Filho de Deus.

Interessante que o ocorrido com Pedro serve de exemplo para a gente. Vez por outra julgamos a atitude do apóstolo e tomamos o mesmo caminho: negamos a Jesus. Até soa estranho “negar a Cristo”. Mas é isso que fazemos, quase diariamente, seja por vergonha, medo ou até mesmo falta de amor. Por isso, aceite a Jesus como o seu Salvador e não tenha medo de falar que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. Mantenha acesa a sua comunhão com Cristo e mostre àqueles que ainda não O conhecem que Ele é a única esperança para este mundo. Tome essa decisão na sua vida HOJE. Não deixe para buscá-Lo amanhã. Naquele dia, Pedro O negou três vezez antes que o galo cantasse. E você? Vai negá-Lo até quando?