Posts Tagged ‘Mateus’

h1

“Homens de Pouca Fé”

outubro 27, 2008

Por Tatyanne de Morais

Desde o início do ano tenho tentando ler toda a Bíblia. A cada dia encontro vários versículos e capítulos que me chamam a atenção. Nos últimos dias, tenho analisado as histórias dos discípulos, narradas em Mateus, Marcos e Lucas. Confesso que às vezes a falta de fé dos apóstolos me contraria. Na minha infância, lembro de uma coleção de livros que contava diversas situações bíblicas e uma das minhas preferidas se encontra em Mateus 8, quando Jesus acalma a tempestade.

Logo após estar com a multidão, Cristo resolveu ir ao outro lado do mar, a fim de descansar. Assim que dormiu, as ondas, provocadas por uma grande tempestade, inundaram o barco em que Ele estava. Temerosos, os apóstolos clamaram por Jesus, que disse: “Por que vocês estão com medo, homens de pouca fé?”.

Refletindo nesse caso, penso se nós mesmos não temos as mesmas atitudes dos discípulos. Fomos chamados para seguir a Jesus, do mesmo modo que eles também foram. Hoje, do mesmo modo também não demonstramos segurança e confiança nEle. Os apóstolos foram instruídos a ir e fazer discípulos em todas as nações. O que também nos foi orientado. Afinal, somos cristãos, e esse é o nosso foco, levar a mensagem da Segunda Vinda de Cristo.

Os discípulos tiveram a oportunidade de acompanhar Jesus, e enquanto Ele esteve aqui, não demonstraram o real amor por Cristo. Contudo, naquela época, também não era fácil, eles eram repreendidos pelos povos. Hoje, não temos como conviver com Jesus lado a lado na terra, mas ainda possuímos a liberdade para amá-LO e anunciar ao mundo que Ele não vai voltar, mas já está voltando. Sendo assim, que possamos ter orgulho da mensagem da Cruz. Do amor incondicional que Ele tem por nós. Contudo, lembrem-se: fé sem obras é morta. Logo, é necessário agirmos como corretos seguidores de Cristo, para anunciar e apressar a Sua Volta.

Anúncios
h1

A Lição da Plantinha

outubro 25, 2008

Lembro com nostalgia a minha época de Desbravador. Aprendi muito e conheci várias pessoas e lugares durante esse tempo. No local onde o meu clube estava – em um dos acampamentos que participei – existia uma edificação toda em madeira (bancos, paredes, teto), semelhante a uma igreja. Lá realizávamos os cultos. E durante o sermão do Sábado de manhã, o pastor nos fez um desafio: “Cada um deve encontrar algo que chame a sua atenção para nos relatar durante o Culto Jovem”.

Logo após, todos os presentes discutiram o que poderia ter uma boa aplicação espiritual para essa atividade. E uns pensaram nas complicadas comunidades de formigas, outros na natureza como um todo… Mas o meu mistério era uma humilde, minúscula e simplória plantinha sem nome, de pouco menos de 15 centímetros, No púlpito da igreja em madeira, havia uma fresta no rodapé. Um espaço menor do que 1 cm. Do lado de fora, a vastidão de um campo enorme para se expandir. Mas a plantinha ‘escolheu’ crescer para dentro, em direção ao interior da igreja.

Lá não batia muito sol nem chovia diretamente, e as dificuldades eram bem maiores. Contudo, esses fatores contrários não conseguiram impedir seu crescimento. Esse vegetal contrariava o senso comum, ‘nadava contra a maré’ e me mostrava dois convites de Deus, e também duas características marcantes do Cristianismo: superar tribulações e ser diferente.

Muitos acham que ser cristão é não se preocupar mais com o futuro, porque as dificuldades ficaram no passado. A partir do momento da conversão, Deus vai tirar todos os empecilhos do caminho. Para esses, Jesus convida: “[…] vem, toma a cruz, e segue-me” (Marcos 10.21). Pois se você pede a Deus forças para continuar, o Senhor pode conceder-lhe tribulações para te fortalecer.

O outro convite feito por Deus para o Seu povo, em Jeremias 51:45, nos diz para sair “do meio dela” – da corrupção de Babilônia. Vivemos hoje em meio a Babilônia espiritual: valores invertidos, meias-verdades, confusão de crenças, e cada vez, menos amor. Assim, é imprescindível nos separar da corrupção de costumes, atitudes e vícios praticados pela nossa sociedade. Por mais complicado ou doloroso que isso seja, devemos nos afastar disso tudo em humildade e desfrutar a comunhão incessante com o Pai. Agindo como aquele vegetal, romperemos nossos obstáculos e seremos boas exceções. A plantinha poderia ter crescido normalmente para onde havia maior espaço, luz e água. Mas seria apenas mais uma planta em meio ao mato. Em vez disso, ficou eternizada em minha memória por preferir se fortalecer crescendo do jeito mais difícil.

Hoje, cabe a nós sermos um dos “poucos“. Escolher entrar “pela porta estreita”. Rejeitarmos tanto “a porta larga” quanto o “espaçoso caminho que conduz à perdição”. “Porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” (Mateus 7:13 e 14, adaptado).

h1

Antes que o galo cante

março 24, 2008

Jesus“Replicou-lhe Jesus: Em verdade te digo que, nesta mesma noite, antes que o galo cante, tu me negarás três vezes. Disse-lhe Pedro: Ainda que venhas a ser um tropeço para todos, nunca o serás para mim. Disse-lhe Pedro: Ainda que me seja necessário morrer contigo, de nenhum modo te negarei. E todos os discípulos disseram o mesmo.

Logo depois, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: Verdadeiramente, és também um deles, porque o teu modo de falar o denuncia. Então, começou ele a praguejar e a jurar: Não conheço esse homem! E imediatamente cantou o galo. Então, Pedro se lembrou da palavra que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, tu me negarás três vezes. E, saindo dali, chorou amargamente”.

Mateus 26:33-35,73-75

Pedro não conseguia acreditar, mas ele negou a Jesus três vezes. Acredito que naquele momento em que o medo falou mais alto do que a sua fé, ele devia ficar frustrado consigo mesmo ao lembrar do que Jesus dissera. O discípulo devia ficar pensando como estava ele negando a Cristo? Aquele Homem que ele seguiu, que ele amava e acreditava ser o Filho de Deus.

Interessante que o ocorrido com Pedro serve de exemplo para a gente. Vez por outra julgamos a atitude do apóstolo e tomamos o mesmo caminho: negamos a Jesus. Até soa estranho “negar a Cristo”. Mas é isso que fazemos, quase diariamente, seja por vergonha, medo ou até mesmo falta de amor. Por isso, aceite a Jesus como o seu Salvador e não tenha medo de falar que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. Mantenha acesa a sua comunhão com Cristo e mostre àqueles que ainda não O conhecem que Ele é a única esperança para este mundo. Tome essa decisão na sua vida HOJE. Não deixe para buscá-Lo amanhã. Naquele dia, Pedro O negou três vezez antes que o galo cantasse. E você? Vai negá-Lo até quando?